Opinião

Guadalajara e a apoteose das palavras

Manuel Rui

O ser humano poucas vezes falando, ouvindo ou escrevendo, poucas vezes se concentra por escassos minutos para eleger a palavra como o centro de gravidade da nossa existência.

 Com a palavra fazemos textos orais resplandecendo a maravilha da poética dos mujimbeiros ou jograis. Com a palavra escrita fazemos poesia e ficção, teatro ou guiões de cinema, em suma a escrita em arte que flagra a história que foi mandada escrever pelos reis dos impérios onde invasões e esclavagismo se escreveu achamentos ou descobrimentos sob a capa do esclavagismo e a deslocação, única na história da humanidade, de milhões de pessoas da África para as Américas, amontoados nos porões de ferros e grilhetas, morrendo uma boa parte na viagem e os sobreviventes rumarem para as plantações de açúcar, tabaco, café, minas de ouro e todos os trabalhos pesados, incluindo a construção de palácios nas metrópoles e colónias, com suas identidades algemadas. Mas foi a palavra que sempre ousou estar do lado da liberdade, do amor e da fantasia. Estou na Feira Internacional do Livro em Guadalajara, uma espécie de Meca para os escritores de todo o mundo. O espaço, arquitectonicamente é deveras singular. Pelos acessos, pela harmonia entre o metal e o vidro que não esmagam mas fazem aproximar as pessoas e sentir sem apertos mas de forma solta medir as estruturas de madeira que por fora parecem uma arrumação de caixas quadradas mas  entrando, são estúdios onde se apresentam livros com debate e sessão de autógrafos, noutros se declama poesia. Há imensas caixas que são de editoras de todo o mundo. A professora e uma das tradutoras da minha antologia fez a apresentação do livro com mestria, depois eu falei da forma como entendia a arte de traduzir literatura diferente das outras traduções, por exemplo, científicas, o tradutor literário tem de gostar da obra, não se amarra só aos signficados mas tem de observar o significante, a idiossincrasia do território do autor e a poética que subjaz ao texto, em suma,  traduzir literatura é uma arte. E vieram as perguntas sobre o livro e sobre Angola. No fim os aplausos e a sessão de autógrafos. Penso ter honrado Angola como Ondjaki, prémio Saramago, mais outros dois escritores portugueses também galardoados, fizeram uma mesa com a viúva do Nobel, a sala esteve a abarrotar e Ondjaki recebeu grandes aplausos, este escritor angolano dos mais traduzidos e tão esquecido para o prémio nacional do seu país.
 Este ano a Feira teve como convidado de honra Portugal, mas eu estou na Feira em nome da editora Veracruzana e realizei dois eventos na capital, um evento na Feira e outro na Universidade de Xalapa, capital do Estado de Veracruz.
Todos nós, os diversos staffs, restauração, escritores, críticos, jornalistas e leitores, aqui esquecemos o que vai lá fora, absorvidos e apaixonados pela palavra.Não vi nenhum pequeno conflito ou distúrbio. Só abraços, sorrisos, autógrafos e toneladas de fotografias.
Tinha deixado os óculos no avião. Em Xalapa tem ópticas que fazem consulta gratuita e aprontam os óculos em duas horas. Aproveitei pois as lentes são fabricadas no México e têm de ser mais baratas que as de Lisboa importadas de Itália. Entretanto, a esbelta mexicana balconista foi à ficha, procurou no celular e encontrou quem eu era, ainda levantou o som do nosso hino nacional e foram mais fotografias e autógrafos e que iam comprar o livro.
Pela primeira vez na minha vida, se bem me lembro, fiz uma conferência para escritores, mas isso fica para outra crónica com a emoção de ter reencontrado um velho amigo celebridade da poesia latino-americana.
Os mexicanos têm poder aquisitivo para comprar livros. Espanta-me por terem salário mínimo baixo. No entanto a comida é barata e pode-se comer nos carrinhos com toldo e a comida é barata porque desde a carne, mariscos, peixe, frutas e legumes, tudo é produzido aqui e assim se desenrascam como um cubano biscateiro de geradores me dizia que em Angola ele tinha dias em que se resolvia com uma lambula. Mas o que também muito me impressionou foi observar as visitas de estudantes com seus uniformes e acompanhados por professoras e professores que de guia na mão iam roteirando a Feira. Não perguntei a ninguém o lucro da Feira. No entanto, entra muito dinheiro, os aviões chegam cheios, os taxistas quase escasseiam, os hotéis estão repletos e os restaurantes também.
Porém, um pedacinho de coração deixei na Feira amarrado à juventude que é o futuro do México. Jovens sentados no chão à buda ou deitados de barriga para baixo lendo livros como se devorassem uma guloseima de raro sabor. Falei para o meu editor, professor, destes não vai sair nenhum para agarrar uma espingarda e disparar rajadas para dentro da sala de aula. Nunca mais vão esquecer a Feira, os livros que leram no chão e, com certeza, vão continuar a manter o gosto pela leitura, mais tarde, já adultos e família constituída, vão trazer aqui os seus filhos e tirar fotografias no lugar onde liam livros no chão.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia