Política

300 licenciados serão formados nas melhores universidades

Angola vai passar a enviar anualmente 300 licenciados com mérito académico para as melhores universidades do mundo, para programas de mestrado e doutoramento. O programa, aprovado ontem pelo Conselho de Ministros, reunido na sua primeira sessão ordinária, orientada pelo Presidente João Lourenço, vai custar cerca de 11 mil milhões de kwanzas e mais um milhão de dólares. Os 11 mil milhões de kwanzas destinam-se a atender o pagamento de propinas e subsídios.

Fotografia: DR

O primeiro valor destina-se a atender ao pagamento de propinas e subsídios para a subsistência dos estudantes. O valor de um milhão de dólares serve como subsídio para a investigação científica e participação dos estudantes em eventos científicos.
Segundo a ministra do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Bragança Sambo, as áreas prioritárias são as Engenharias, Tecnologias e Ciências da Saúde, consideradas deficitárias em termos de formação no país.
A ministra informou que o programa, a ser executado até 2022, arranca no próximo ano, por não estar incluído no orçamento do Ministério para este ano.
O objectivo, disse, é capacitar o país de quadros formados nas melhores universidades do mundo e assim reconhecer o mérito a estudantes ou a mestres que demonstrem ter um elevado desempenho.
Será criado um júri integrado por personalidades nacionais e estrangeiras com CV reconhecidamente válido no que diz respeito às capacidades para avaliar o mérito dos candidatos.
 O candidato apurado deverá assinar um termo de compromisso no qual se compromete a regressar ao país após a conclusão do mestrado ou doutoramento.
O programa vai beneficiar também estudantes que já estejam a frequentar uma universidade de renome internacional em cursos de mestrado ou doutoramento e que não disponham de uma bolsa de estudo do Governo.
Na reunião de ontem, o Conselho de Ministros apreciou propostas de diplomas legais relativas à justiça militar, a serem remetidas à Assembleia Nacional.

Tempo

Multimédia