Política

África quer unir esforços com Espanha

O embaixador de Angola em Espanha, Victor Lima, na qualidade de decano do Grupo Africano, pronunciou ontem um discurso perante o ministro espanhol das Relações Exteriores, Alfonso Dastis, no qual defendeu a unidade de esforços para “materializar a vontade recíproca de Espanha e de África de serem parceiros estratégicos” e não ficarem apenas nas palavras.

Músico norte-americano Chris Cornell
Fotografia: Cedida pela Embaixada angolana

Naquilo que foi o primeiro encontro do género do novo chefe da diplomacia espanhola, a reunião no Palácio de Viana com o grupo de embaixadores africanos enquadrou-se nas comemorações oficiais do Dia de África, 25 de Maio, que se celebra na próxima semana. Durante o encontro, os embaixadores africanos, na voz do embaixador de Angola, pediram ao chefe da diplomacia espanhola que ajude o continente africano a aceder aos fundos europeus necessários para o crescimento dos diferentes países.
Uma proposta que os embaixadores puseram na mesa foi “a criação de um mecanismo, que poderia ser uma Câmara de Comércio Espanha-África ou uma outra estrutura de carácter permanente, que teria por finalidade identificar e facilitar negócios entre ambas as partes e actualizar dados socio-económicos das duas realidades”.
Victor Lima propôs que no âmbito bilateral sejam realizadas acções no sentido de reforçar o diálogo político e intensificar o intercâmbio institucional, integrar as pequenas e médias empresas no processo de internacionalização das empresas espanholas e ampliar o conceito de cultura partilhada através da difusão da língua espanhola em África.
Na sua intervenção, Alfonso Dastis destacou o crescente protagonismo do continente africano e a sua ligação a Espanha pela geografia, a cultura e a história e apontou a defesa da democracia e do Estado de direito, a segurança e o crescimento económico como os três grandes desafios da política africana de Espanha.  O ministro assegurou que a Espanha quer coordenar os seus recursos e políticas para África num novo contexto estratégico, com o objectivo de os adaptar às transformações no mundo e reforçar a sua eficácia.
O ministro das Relações Exteriores abordou também a crise migratória como grande desafio que une africanos e europeus. Desde há vários anos as autoridades espanholas mantêm um diálogo com os países do Magrebe e da África Ocidental sobre o tratamento dos fluxos migratórios.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia