Política

Agência Nacional vai regular comunicação digital no país

Augusto Cuteta

O país vai dispor, em breve, de uma Agência Nacional de Comunicação Digital (ANCD) , instituição que será encarregue de regular e desenvolver as identidades padrão e visual de comunicação digital, anunciou, em Catete, município de Icolo e Bengo, o coordenador da comissão instaladora.

Fotografia: DR

Domingos Pascoal Simão avançou que a futura instituição vai, igualmente, traçar as políticas e estratégias (Plano de Comunicação Digital), no âmbito da informação e gestão de conteúdos do Governo sobre a Internet, a partir da adopção, pelos órgãos do Poder Executivo, das premissas na identidade digital.
Ao apresentar a ANCD, no 14º Conselho Consultivo do sector da Comunicação Social, encerrado quinta-feira, o coordenador da comissão instaladora disse que se pretende melhorar e desenvolver um modelo de comunicação digital baseado na gestão de políticas públicas e integração de conteúdos da governação electrónica.
O novo organismo do Ministério da Comunicação Social terá ainda a missão de tutelar e coordenar a actividade da área da comunicação digital e qualifica-la, para permitir que o cidadão encontre, com maior e mais facilidade, as informações sobre as políticas e serviços oferecidos pelo Governo.
Domingos Pascoal Simão realçou que, com o surgimento da agência, fica mais valorizado o papel do Governo nas estratégias de criação de inovação digital, enquadrando-se na tendência da nova forma de governação da economia digital.
Neste sentido, a ANCD vai normalizar, orientar e coordenar a actividade de gestão da estratégia do marketing digital e a uniformização dos conteúdos na comunicação do Governo, assim como deve levar a cabo acções de formação dos auxiliares do Titular do Poder Executivo, directores de comunicação institucional, adidos de imprensa nas missões diplomáticas e consulares.
Com isso, salientou Domingos Pascoal Simão, a formação, que juntará igualmente outros departamentos ministeriais do Governo, vai padronizar, criar, melhorar e manter as políticas e campanhas da comunicação e media digital com uma única linha de orientação.
No fundo, realçou o coordenador da comissão instaladora da ANCD, a ideia é dar valor à comunicação digital, de modos que esta seja uma ferramenta de real utilidade, com informações e serviços orientados para uma melhor interacção dos cidadãos com Poder Executivo.

Visão do Executivo
Para o Governo, o acesso dos cidadãos a uma informação mais plural, rigorosa, isenta e credível, no sentido de melhorar e diversificar os conteúdos de informação noticiosa é uma das principais apostas para o sector, até 2022. Com a criação da ANCD e de outros programas, na visão do Ministério da Comunicação Social, aumenta-se a qualidade dos programas e dos seus conteúdos e a promoção da diversificação das fontes, de forma a contribuir para o desenvolvimento educacional, cívico e cultural da população.
Por isso, o ministério pretende que, até 2022, o índice de pluralidade nos media alcance os 75 por cento e a isenção nesses órgãos atinja os 70 por cento, assim como aconteça um aumento, em pelo menos, 40 por cento do número de comunicações institucionais na televisão, na rádio e nos jornais em matéria de saúde pública, deveres cívicos, campanhas rodoviárias, eventos culturais e outros de interesse público.

Tempo

Multimédia