Política

Angola e China falam da indústria militar

Garrido Fragoso

Os Governos de Angola e da China avaliam desde ontem, em Luanda, a intenção do reforço, nos próximos tempos, da execução dos projectos relacionados com o fornecimento e manutenção dos produtos da indústria militar e assistência técnica, formação de especialistas e construção de infra-estruturas para as Forças Armadas Angolanas.

Fornecimento e manutenção de produtos militares esteve em análise entre delegações chinesa e angolana
Fotografia: DR

Segundo o ministro da De-fesa Nacional, Salviano de Jesus Sequeira, na abertura da reunião do Comité Conjunto de Cooperação, Ciência, Tecnologia e Indústria de Defesa Nacional Angola-China, que decorreu em Luanda, vários projectos têm sido identificados, mas a sua implementação tem sido em número reduzido, devido às dificuldades financeiras do país. 

Salviano de Jesus Sequeira, que chefiou a delegação angolana, considerou “estáveis” as relações bilaterais. “Estamos satisfeitos com o estado actual da cooperação marcada, nos últimos tempos, pelo crescimento institucional e empresarial, respeito mútuo e solidariedade”, afirmou.
A visita ao país do coronel-general Xu Qiliang, vice-presidente da Comissão Central de Defesa, segundo o ministro, acontece numa altura em que o Executivo continua a desenvolver esforços para combater a corrupção, nepotismo, impunidade e todas as práticas lesivas ao interesse nacional.
O ministro da Defesa Nacional lembrou à delegação visitante sobre as duas operações em curso no país, “Transparência” e “Resgate”, indicando que as mesmas visam, sobretudo, o reforço da autoridade do Estado e manutenção da ordem social, moral e os bons costumes.
Em relação à situação política e militar do país, o ministro Salviano Sequeira considerou-a estável, atendendo às “boas relações” com os países vizinhos. Falou ainda do processo, em curso, de reestruturação e redimensionamento nas Forças Armadas Angolanas, acrescentando que os efectivos militares desenvolvem actividades de rotina, consubstanciadas no aperfeiçoamento da preparação, visando garantir a ma-nutenção das capacidades necessárias para o cumprimento das missões.
O vice-presidente da Co-missão Central de Defesa da China, coronel-general Xu Qiliang, disse que a visita a Angola visa, sobretudo, consolidar os laços de cooperação militar bilateral.
Xu Qiliang visitou ontem a Base Naval e o Museu de História Militar.

Tempo

Multimédia