Política

Angola e França abordam impacto económico da Covid

Os Presidentes João Lourenço, de Angola, e Emmanuel Macron, de França, mantiveram ontem uma conversa ao telefone, tendo abordado um conjunto de temas actuais, de entre eles o impacto da pandemia da Covid-19 sobre a economia mundial e os seus reflexos em Angola.

Os dois Chefes de Estado falaram sobre a iniciativa do alívio da dívida dos países africanos
Fotografia: Angop

De acordo com uma nota da Secretaria de Comunicação Institucional e Imprensa do Presidente da República, os dois Presidentes falaram, também, sobre a iniciativa do G-20, relacionada com o alívio da dívida dos países africanos. Abordaram, igualmente, questões regionais, nomeadamente as eleições na República Centro Africana e a tensão na fronteira entre a República Democrática do Congo e a Zâmbia.

No mês passado, Emanuel Macron enviou uma carta ao Presidente João Lourenço, a lamentar o facto de ter adiado a visita ao país, inicialmente prevista para o final de Maio, conforme agenda traçada no ano passado.  “A pandemia mudou o calendário e a agenda de todos os Chefes de Estado e do mundo inteiro. O Presidente francês viu-se forçado a adiar a visita a Angola, mas realça o princípio da nossa cooperação, que é uma das suas prioridades”, assinalou o embaixador da França, Sylvain Itté, depois de entregar a carta de Macron ao Presidente João Lourenço.

Em Maio de 2018, o Presidente João Lourenço efectuou uma visita de Estado a França, durante a qual foram assinados quatro acordos de cooperação. Trata-se dos acordos no domínio da De-fesa, Convenção com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) no domínio da Agricultura, Convenção sobre a subvenção dos estudos com o Fundo para Ex-pertise e o Reforço das capacidades da Agência Francesa de Desenvolvimento e Estabelecimento do Proparco – Promoção e participação para Cooperação Eco-nómica – filial da AFD para o sector privado.

Na ocasião, João Lourenço reafirmou o interesse do país em estabelecer com a França uma verdadeira parceria estratégica, sustentada no reforço dos laços de amizade e de cooperação nos sectores da Educação, Cultura, Política, Defesa e Segurança, principalmente a parte económica e empresarial.
Na mesma ocasião, o estadista angolano destacou a vontade de Angola estreitar as relações para afirmar-se como membro observador da Organização Internacional da Francofonia, pelo importante papel que esta instituição joga no mundo, sobretudo em África.

As relações diplomáticas entre os dois Estados foram estabelecidas em Fevereiro de 1976. As bases da cooperação bilateral foram criadas, em 1982, com a assinatura do Acordo Geral de Cooperação. Os dois países partilham diversos interesses económicos, tendo o comércio bilateral atingido 1,4 mil milhões de euros, em 2013. Em 2014, as importações de França para Angola alcançaram um valor estimado em 770 milhões de euros.

As importações são constituídas, basicamente, por equipamento para utilização na indústria petrolífera, produtos alimentares e bens de consumo diversos.
Angola exporta para França petróleo bruto. A empresa francesa Total tornou-se na primeira operadora petrolífera em Angola, com uma produção diária na ordem dos 650 mil barris. Os dois países têm uma cooperação cultural e científica forte, especialmente no domínio do ensino superior.
Esta cooperação foi reforçada com a assinatura, a 29 de Abril de 2014, do acordo entre os Governos no domínio do Ensino Superior e da formação de quadros, válido por cinco anos.

Tempo

Multimédia