Política

Angola formaliza pedido de adesão à francofonia

O Executivo angolano oficializou, quarta-feira, em Paris, França, a candidatura do país a membro observador da Organização Internacional da Francofonia (OIF).

Manuel Augusto entrega mensagem do Chefe de Estado angolano a homólogo francês
Fotografia: DR

O documento foi entregue pelo ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, à directora-geral da OIF, Louise Mushikiwabo. Na ocasião, o chefe da diplomacia angolana afirmou que o acto marca a materialização de um desejo expresso publicamente pelo Presidente da República, João Lourenço.
Esta intenção, prosseguiu o ministro, baseia-se no facto de que Angola possui relações privilegiadas com países francófonos, além de permitir reforçar a integração com os vizinhos, em particular, e com a comunidade francófona, no geral. Essa medida, ressaltou, tem também o objectivo estratégico de inserção de Angola no concerto das nações.
O ministro angolano está em França desde a manhã de quarta-feira, a convite do seu homólogo francês, Jean-Yves le Drian, com quem deverá analisar as relações entre os dois Estados, bem como questões da actualidade internacional.
A intenção de Angola aderir, com o estatuto de observador, à OIF foi apresentada em fins de Maio do ano passado, num encontro que o Presidente João Lourenço teve com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, no âmbito da visita oficial a França, em que o Chefe de Estado gaulês manifestou o seu apoio.
“Quero reafirmar aqui a vontade de Angola em estreitar cada vez mais as nossas relações. Daí o facto de termos manifestado também o interesse em sermos membros, de alguma forma, como observadores ou membros de pleno direito, da OIF, pelo importante papel que esta organização joga no mundo, mas muito em particular no nosso continente, em África”, afirmou, na ocasião, João Lourenço.
“Quero agradecer por ter decidido ter um papel acrescido na francofonia - você percebe perfeitamente francês - e espero que, no âmbito das ambições para a francofonia que temos todos, o seu país possa ter o seu lugar pleno”, afirmou, por sua vez, Macron.
Angola poderá ser admitida na OIF, em 2020, durante a 19ª Cimeira de Chefes de Estados e de Governo deste bloco, a realizar-se na capital tunisina, Tunis, anunciou, em Julho do ano passado, o embaixador de França acreditado em Luanda, Sylvain Itté.
Em declarações à imprensa, em Luanda, por ocasião da Festa Nacional da França, o diplomata francês precisou que, depois do anúncio público da pretensão angolana de aderir à OIF, “segue-se todo um processo até à formalização da candidatura.”
Infelizmente, lamentou, a decisão das autoridades angolanas, anunciada durante a primeira visita oficial do Chefe de Estado angolano a um país europeu, chegava depois da data limite para o depósito das candidaturas para a última cimeira da OIF, realizada em Outubro do ano passado, em Erevã, na Arménia. “Vamos trabalhar para a próxima cimeira da OIF, em 2020, que espero que será o momento formal da adesão de Angola”, afirmou.

Mensagem entregue a Macron

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, entregou ontem uma mensagem do Presidente da República, João Lourenço, ao homólogo francês, Emmanuel Macron.
A missiva, cujo teor não foi revelado, foi entregue durante uma audiência que o estadista francês concedeu ao ministro angolano, que se encontra em Paris para consultas políticas entre os dois países.
Angola e França assinaram em Maio, no Palácio do Eliseu, em Paris, quatro acordos de cooperação estratégica, no quadro da visita oficial do Presidente João Lourenço a França, efectuada a convite do homólogo gaulês. Trata-se dos Acordo no domínio da Defesa, convenções com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) no domínio da Agricultura, para a subvenção dos estudos com o Fundo para Expertise e o Reforço das capacidades da Agência Francesa de Desenvolvimento, e Estabelecimento do Proparco – Promoção e participação para Cooperação Económica.

Tempo

Multimédia