Política

Angola defende mais investimentos em África

O ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, defendeu ontem uma aposta de África na captação de investimentos para o seu desenvolvimento, a fim de deixar de recorrer à ajuda externa.

Ministro de Estado apresentou desafios da economia nacional
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

Manuel Nunes Júnior falava à ANGOP, por telefone, a partir de Joanesburgo, África do Sul, onde participou, quarta e quinta-feira, em representação do Presidente João Lourenço, numa conferência dedicada às vias para a captação de investimentos para o desenvolvimento do continente.
Num painel em que participou, Manuel Nunes Júnior deu conta da dependência da economia angolana do sector petrolífero, situação que, segundo afirmou, Angola pretende eliminar e fazer com que a sua economia seja mais diversificada.
Por outro lado, realçou os passos que têm sido dados no país, no sentido da protecção do investimento estrangeiro nos capítulos de repatriamento de capitais, facilitação do visto do investidor e simplificação da Lei do Investimento Privado.
Na sua declaração à AN-GOP, Manuel Nunes Júnior sublinhou que o desenvolvimento de África deve passar pela atracção de investimento estrangeiro que sirva de motor para o desenvolvimento do continente.
“África não pode nem deve viver indefinidamente da ajuda externa, mas tem que despertar para acelerar o seu próprio desenvolvimento e deixar de depender do estrangeiro”, disse.
Organizado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), o encontro reuniu vários chefes de Estado e de Governo, bem como ministros ligados às finanças e desenvolvimento, entre eles o ministro angolano da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca.

Tempo

Multimédia