Política

Antigos combatentes recebem subsídios

Carlos Paulino | Menongue

Ao todo, 1.336 ex-militares das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA) residentes na província do Cuando Cubango começaram a receber ontem, na cidade de Menongue, os subsídios de desmobilização.

Desmobilizados começaram a receber subsídios do Estado
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro | Cuando Cubango

Dos beneficiários constam 45 sargentos-maior, 95 primeiro-sargentos, 48 segundo-sargentos, 131 terceiro-sargentos e 1.016 soldados, sendo 560 ex-militares do município de Menongue, 301 do Cuito Cuanavale, 193 do Cuchi, 95 do Rivungo, 82 do Calai, 51 de Mavinga, 35 do Cuangar e 19 do Dirico.
O sargento-maior está a receber 233 mil kwanzas, primeiro-sargento 161 mil kwanzas, segundo-sargento 135 mil, terceiro-sargento 135 mil, e o soldado 55 mil kwanzas.Em declarações à imprensa, o chefe do Distrito de Recrutamento e Mobilização (DRM), coronel Matos Guedes, explicou que esta fase abrange apenas os ex-militares das FAPLA que nunca beneficiaram de subsídios desde que foram desmobilizados em 1991 e 1992.
O pagamento de subsídios aos 1.336 ex-militares vai ser feito de forma faseada.
Matos Guedes garantiu que o DRM vai continuar a fazer o levantamento de todos os ex-militares das FAPLA a nível da província, para que os mesmos possam beneficiar também de subsídios nos próximos tempos. A vice-governadora do Cuando Cubango para o sector Político, Social e Económico, Sara Mateus, disse que o pagamento de subsídios visa reconhecer o contributo dos ex-militares na defesa da Pátria.

Tempo

Multimédia