Política

Apoio social chega aos municípios do Bié

João Constantino | Cuito

O projecto de Apoio à Protecção Social (APROSOC) foi lançado na quarta-feira, no município do Chinguar, Bié, com a inauguração do Centro de Acção Social Integrado (CASI) pelo governador local, Álvaro de Boavida Neto, acto testemunhado pela ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Vitória da Conceição.

Projecto beneficia milhares de famílias em três províncias
Fotografia: Foto | Casi Chinguar

O apoio à protecção social surge para proteger  as famílias mais vulneráveis, através da municipalização da acção social, um projecto piloto que conta com o apoio da União Europeia, que já disponibilizou 32 milhões de euros para a implementação do mesmo em cinco anos.
Nas províncias do Moxico e do Uíge já está a ser implementado o APROSOC. Esta semana o mesmo  chegou aos municípios da Catabola e do Chinguar, no Bié. Viaturas e motorizadas foram disponibilizadas no Bié para facilitar a mobilidade dos técnicos dos  centros de acção social integrados. As famílias vulneráveis, sobretudo as que têm sob tutela crianças com menos de cinco anos, vão receber o  equivalente em Kwanzas  a dez dólares mensais, cada criança, a partir de Outubro próximo, devendo os progenitores terem conta bancária no Banco de Poupança e Crédito.
A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, explicou que o Centro de Acção Social Integrado vai  apoiar famílias carentes num período de dois anos. O  programa está a ser desenvolvido em seis municípios nas províncias do Uíge, do Moxico e do Bié. “O projecto tem pernas para andar e prevê apoiar 18.300 crianças e famílias que vivem em pobreza extrema”, disse.
O governador Boavida Neto disse que o projecto vai beneficiar, sobretudo, idosos, mulheres, adolescentes e pessoas portadoras de  deficiência. Pediu mais responsabilidade aos activistas no cadastramento das famílias mais carenciadas.

Tempo

Multimédia