Política

Assegurada modernização da Força Aérea Nacional

O Executivo garante o asseguramento material do processo de modernização da Força Aérea Nacional (FAN) em curso. A promessa está expressa numa mensagem de felicitações do  ministro da Defesa Nacional, Salviano de Jesus Sequeira “Kianda”,  dirigida ao comandante da Força Aérea Nacional, Altino Carlos dos Santos, em virtude da comemoração do 43º aniversário daquele ramo das Forças Armadas Angolanas (FAA), que se assinala hoje.

Governo vai disponibilizar meios para a concretização do processo de modernização
Fotografia: DR

O ministro sublinhou que o Executivo liderado pelo Presidente da República e Comandante-em-Chefe das FAA, João Lourenço, está disponível a assegurar e disponibilizar os meios que forem possíveis para a concretização do processo de modernização em curso na Força Aérea Nacional, apesar das actuais dificuldades económicas e financeiras existentes no país. 

“Exorto o Comando da Força Aérea Nacional a manter-se focado na concretização das suas metas, elevando cada vez mais, no seio dos seus efectivos, os níveis de organização e de operacionalidade, de educação cívica e patriótica, de superação técnica e profissional e de disciplina”, refere a mensagem. 

 O ministro da Defesa realça que o foco nas metas e elevação dos níveis de organização  são pressupostos essenciais para o êxito no cumprimento das suas responsabilidades na defesa e salvaguarda do espaço aéreo nacional.  

 

Mensagem do CEMG

Numa outra mensagem, o chefe do Estado-Maior General das FAA, António Egídio de Sousa Santos, refere que a trajectória percorrida pela FAN tem sido marcada por momentos de luta e sobretudo de inúmeras conquistas, fruto da elevada consciência patriótica, bravura e espírito de missão, que constituem os principais traços característicos dos efectivos.

“Na nova conjuntura em que decorre com êxito o processo de reestruturação, à luz da Directiva de Sua Excelência Comandante-em-Chefe, o principal desafio para a Força Aérea Nacional deverá continuar a ser o aumento da organização, disciplina e a formação de quadros, para corresponder aos esforços em curso, no âmbito do reequipamento e modernização do ramo”, refere a mensagem.

O objectivo, acrescenta, é torná-lo mais operacional e capaz de dar resposta não apenas a missões de interesse nacional, mas também aos compromissos internacionais assumidos, onde já demonstrou suficiente projecção da sua força e capacidade.

“Aproveito esta sublime ocasião para reiterar os votos de que esta data seja transformada numa jornada de festa e reflexão, homenageando ao mesmo tempo todos os que ao longo dos tempos serviram incansavelmente a Força Aérea Nacional, dando o melhor de si, incluindo em muitos casos o sacrifício da própria vida”, conclui o CEMG.

A 21 de Janeiro de 1976, o primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, visitou e proclamou, na então Base Aérea nº 1, em Luanda, a fundação da Força Aérea Popular de Angola/Defesa Anti-Aérea (FAPA/DAA). 

A FAPA/DAA nasceu do embrião da Força Aérea colonial portuguesa, num momento em que se impunham actividades permanentes para a recuperação dos meios abandonados pelos portugueses, com vista a responder às exigências inerentes à defesa da integridade territorial e Independência do país, proclamada a 11 de Novembro de 1975.  À luz dos acordos de Bicesse, a FAPA/DAA foi redimensionada em Setembro de 2002 e passou a denominar-se Força Aérea Nacional (FAN).

 A Força Aérea é o ramo das Forças Armadas Angolanas (FAA) que tem como missão a protecção do espaço aéreo nacional, da Zona Económica Exclusiva e a realização de operações aero-terrestres e aero-navais.


Tempo

Multimédia