Política

Autoridades Tradicionais aconselham Executivo a reforçar cadastramento

Os 80 participantes do III Encontro Nacional das Autoridades Tradicionais sugeriram hoje ao Executivo a melhorar o sistema de cadastramento das autoridades tradicionais, como um dos mecanismos para extinguir a proliferação de supostos detentores do poder tradicional nas comunidades.

Participantes desencorajam a entronização de pessoas alheias às linhagens dos soberanos
Fotografia: DR

No comunicado final do III Encontro Nacional dos "Mais Velhos", que encerrou esta tarde, em Luanda, os participantes desencorajam a entronização de pessoas alheias às linhagens dos soberanos.

Dados oficiais indicam a existência, no país, de 50 mil autoridades tradicionais cadastradas. Os participantes destacaram, igualmente, a necessidade da revogação da legislação que estabelece o uso de fardamentos como identificação das autoridades tradicionais e que seja encorajado o uso de vestimentas e adornos identitários da linhagem e das respectivas regiões.

A necessidade de um profundo debate à volta da proposta de Lei sobre as autoridades tradicionais, envolvendo todas as franjas da sociedade consta também entre as recomendações e conclusões.

O papel das autoridades tradicionais na moralização e preservação dos valores de coesão e unidade nacional, bem como a realização de estudos de investigação científica, com vista a se obter dados credíveis sobre o seu desenvolvimento, é, também, um dos pontos do documento.

O encontro emerge da necessidade da criação de um espaço amplo de intercâmbio e de discussão, bianual, sobre as Autoridades Tradicionais, o seu papel e função, bem como o seu contributo na moralização das comunidades e na promoção, preservação e divulgação da cultura angolana.

Durante os dois dias de actividades, os participantes abordaram questões relacionadas com os modelos de articulação entre as administrações locais e as autoridades tradicionais, esperando-se propostas tendentes a melhorar a organização das actividades, num contexto de mudanças social e política, sendo o evento estruturado em três painéis de trabalho, designadamente "As Autoridades Tradicionais hoje: Papel e Desafios nos processos de liderança comunitária e das autarquias", "As Autoridades Tradicionais: Perspectiva Jurídico- legal" e "Comunidades, Reis e Reinos de Angola".



Tempo

Multimédia