Política

Banco Mundial apoia combate à pobreza

O Banco Mundial (BM) vai conceder, nos próximos meses, um financiamento de mil milhões de dólares para apoio directo ao Orçamento Geral do Estado (OGE), Protecção Social e o sector das Águas, anunciou ontem, em Luanda, o vice-presidente da instituição para a África, Hafez Ghanem.

Hafez Ghanem
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Fonseca BenguiEm declarações à im-prensa, depois de ser recebido em audiência pelo Presidente João Lourenço, Hafez Ghanem referiu que Angola é “um país bastante importante para o Banco Mundial e valoriza muito a parceria com a instituição”.

“Queremos apoiar o processo de reformas em curso em Angola. Por isso, dedicamos um valor de apoio a Angola que será desembolsado nos próximos meses, no valor de mil milhões de dólares, que visa especialmente três áreas importantes: o apoio directo ao OGE, protecção social e o sector das Águas”, sublinhou.
O vice-presidente do Banco Mundial para a África, que visita o país pela primeira vez, explicou que o encontro serviu para ouvir do Presidente João Lourenço as prioridades de Angola e também ver de que maneira a instituição de Bretton Woods pode ajudar na agenda de desenvolvimento do país.
“O objectivo do BM é o combate à pobreza. Por isso, discutimos com o senhor Presidente a forma como podemos ajudar para o desenvolvimento do país, principalmente naquilo que diz respeito à redução da pobreza e no campo da Protecção Social, Educação e Saúde”, salientou.

Apoio à Tesouraria

O ministro das Finanças, Archer Mangueira, que esteve na audiência, explicou que o Banco Mundial vai conceder um apoio à Tesouraria, com um financiamento que está já garantido para este ano, no montante de 500 milhões de dólares. O valor, acrescentou, vai até ao montante de 1.5 mil milhões de dólares nos próximos três anos.
Segundo Archer Mangueira, além dos projectos já existentes nos sectores das Águas, Agricultura, Desenvolvimento Local e Protecção Social, há também a intenção de o Banco Mundial apoiar novos projectos na área de Energia, particularmente a solar e no sector dos Transportes.

ONU pede apoio

As Nações Unidas pediram ontem ao Presidente João Lourenço para trabalhar com líderes dos países da Região dos Grandes Lagos, para que se possa esbater algumas tensões entre alguns Estados da zona.
A solicitação foi feita pelo enviado especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Região dos Grandes Lagos, Said Djinnit, recebido ontem em audiência pelo Chefe de Estado.
“Fiz menção ao senhor Presidente do facto de haver algumas tensões entre alguns países da região e, neste caso, exortei ao senhor Presidente a trabalhar com os líderes da região para que se possa esbater essas tensões”, disse. Em fim de missão, o diplomata argelino felicitou Angola pelo papel de liderança que tem desempenhado na promoção da paz e desenvolvimento na Região dos Gran-
des Lagos.

Tempo

Multimédia