Política

Campanha de moralização a funcionários da Justiça

Jaquelino Figueiredo | Soyo

A campanha de moralização para o combate à corrupção e à impunidade, conduzida pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos chegou ontem aos funcionários da província do Zaire.

Profissionais informados sobre os desafios internos
Fotografia: Adolfo Dumbo | Edições Novembro

Uma palestra sobre o tema “A moralização para o combate à corrupção e à impunidade” decorreu na Mediateca do Soyo, sob orientação do assessor do ministro da Justiça e dos Direitos Humanos Sebastião Rocha.
A formação, segundo Sebastião Rocha, consta da estratégia do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos para detectar eventuais fraudes e responsabilizar os implicados.
O seminário, acrescentou, enquadra-se numa estratégia para o combate à corrupção e à impunidade, que assenta em três pontos de actuação: prevenção, através da realização de sessões de moralização para o combate à corrupção; auditorias regulares para detectar fraudes a nível dos serviços e a responsabilização.
Segundo o responsável, as acções de capacitação de todos os funcionários do Mi-nistério da Justiça e dos Direitos Humanos têm como pen-
dor prevenir actos ilícitos em todas as áreas de serviço.
“Relativamente à prevenção, estamos a levar a cabo sessões de moralização para o combate à corrupção, que teveram início em Luanda, em Maio do ano passado, e durante as quais cerca de 85 por cento de funcionários em Luanda passou por essas sessões. E este ano vamos às delegações provinciais. Já estivemos no Bengo e Uíge”, disse.
A sessão de moralização, informou, terá a duração de três meses, para munir os funcionários de instrumentos adequados para o combate à corrupção e à impunidade, bem como encorajá-los a promover a cultura de denúncia. Infelizmente, acrescentou, os angolanos ainda não têm cultura de denúncia. Segun-do Sebastião Rocha, a denúncia dos infractores constitui uma das formas de combater a corrupção.

Tempo

Multimédia