Política

Carolina Cerqueira: Dinheiro antes usado para guerra é agora para o combate à pobreza

César Esteves

Os recursos financeiros anteriormente alocados em despesas relacionadas com a guerra, que imperou no país durante anos, servem, hoje, para suprir necessidades nos sectores da Educação, Saúde, Habitação e no combate à pobreza afirmou a ministra de Estado para a Área Social.

Ministra de Estado para a Área Social depositou uma coroa de flores no Monumento do Soldado Desconhecido, em Luanda
Fotografia: Cedida pela Angop

Ao discursar por ocasião do Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, ontem assinalado, Carolina Cerqueira ressaltou que a aposta no desenvolvimento humano, enquanto elemento de base da igualdade, justiça e factor de reconciliação, reconstrução, unidade e coesão entre os angolanos, após o fim da guerra, foi das metas que o Governo se predispôs cumprir. Isso “veio mostrar a intenção governamental em priorizar a paz social”, salientou a ministra.

A governante disse ser, igualmente, prioridade do Executivo continuar a desenvolver esforços para a “inclusão produtiva”, através do incentivo à produção agrícola, pesca, indústria e ao comércio, que, numa aliança com o turismo, podem garantir mais acesso ao emprego, sobretudo dos jovens.
Carolina Cerqueira salientou ser neste quadro que surge o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), lançado no ano passado, para exaltar as potencialidades locais e promover a inclusão social nos municípios.

A ministra de Estado garantiu que o PIIM vai contribuir, decisivamente, para a diminuição das assimetrias regionais e no combate à pobreza, que, sublinhou, vão confirmar os esforços do Executivo quanto ao compromisso com uma cultura de paz, integração e coesão social.
Segundo Carolina Cerqueira, constitui, igualmente, valor acrescido, neste processo, o programa das transferências monetárias, projecto que o Executivo está a levar a cabo, para permitir a inclusão social de 14 mil famílias nas diversas regiões do país.

“Está previsto, para o mês em curso, o pagamento de dois meses para apoiar a nutrição das crianças e os encargos familiares, essencialmente em serviço de saúde e de educação”, garantiu. Carolina Cerqueira lembrou que Angola vive, hoje, momentos de paz social, com as instituições a democratizarem-se, depois de um longo período de guerra e instabilidade.
Para manter este quadro disse ser necessário continuar a inculcar o sentimento patriótico nas crianças e nos jovens, a fim de os mesmos “amarem mais a Pátria e demonstrarem respeito e carinho por ela e pelos demais filhos dessa terra”. A ministra defendeu, igualmente, que o respeito pelas instituições do Estado deve passar a constar dos programas escolares, ao lado do conhecimento e do respeito pelos símbolos nacionais.
Carolina Cerqueira disse, também, que as novas gerações têm de continuar a assimilar valores, como a dignidade, respeito pela diferença, tolerância, solidariedade, liberdade, justiça e tradição. “Os mais velhos devem voltar a ser uma instituição de respeito e de consideração, não apenas no meio rural, mas, também, nas cidades”, defendeu.
Relativamente à efeméride, a ministra de Estado para a Área Social recordou que assinala o final de um longo conflito armado que opôs irmãos durante longos e sofridos anos. “Nesta data, que representa uma nova etapa na História recente do país, deve recordar-se as lições do passado, que devem servir de exemplo para não se repetirem os mesmos erros”, advogou.
Carolina Cerqueira disse ser importante enaltecer os feitos heróicos dos angolanos, devendo a juventude ser pioneira nas acções a desenvolver para a consolidação da paz e desenvolvimento humano sustentável num clima de justiça social.

Solidariedade às vítimas

Carolina Cerqueira expressou, na ocasião, em nome do Executivo, solidariedade para com as famílias que perderam ente-queridos, vítimas da Covid-19. “Estamos desolados pela perda dessas vidas humanas e entendemos que, neste momento, devemos estender as nossas condolências às famílias enlutadas”, salientou.
Aos doentes da Covid-19, desejou rápidas melhoras e muita coragem, para enfrentarem os desafios que estes dias difíceis exigem de todos.
Antes de fazer o discurso alusivo ao Dia da Paz, na sede do Governo Provincial de Luanda, a ministra de Estado para a Área Social presidiu à cerimónia de hastear a Bandeira Monumento, no Museu Nacional de História Militar (ex-Fortaleza de São Miguel), acto seguido pela deposição de uma coroa de flores no Monumento do Soldado Desconhecido, na Mutamba.
Entre as individualidades presentes nos actos que marcaram o 4 de Abril em Luanda, destacam-se os ministros da Defesa Nacional, Salviano de Jesus Sequeira, da Administração do Território, Adão de Almeida, e da Comunicação Social, Nuno Albino “Carnaval”, além do governador de Luanda, Sérgio Luther Rescova, que foi o anfitrião.

Tempo

Multimédia