Política

CASA-CE acredita na realização das eleições autárquicas em 2022

César Esteves

A CASA-CE acredita na possibilidade de as eleições autárquicas, previstas para este ano, virem a acontecer apenas em 2022, em simultâneo com as gerais, devido à pandemia da Covid-19.

Rafael Aguiar, secretário executivo da CASA-CE, discursou na abertura de uma formação para militantes do município de Talatona
Fotografia: DR

A previsão da coligação, liderada por André Mendes de Carvalho “Miau”, foi manifestada, hoje, em Luanda, pelo secretário executivo nacional, Rafael Aguiar, na abertura de uma acção de formação política e ideológica aos militantes do município de Talatona. “O que se está a desenhar é que vamos ter cedo ou quando possível, as eleições autárquicas, bem como as podemos ter, também, em simultâneo, com as gerais”, vaticinou o político.

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) diz estar apenas a depender da conclusão, no Parlamento, do Pacote Legislativo e da convocação das eleições autárquicas para começar a trabalhar no calendário eleitoral.  A informação foi prestada, no mês passado, pelo porta-voz da CNE, no final da terceira reunião plenária ordinária.

Lucas Quilundo deu a conhecer que a instituição já fez aprovar um conjunto de medidas que deverá dotá-la de capacidade para que, tão logo os passos de que está dependente sejam concluídos, comece a trabalhar nessa matéria. Apesar de não haver uma certeza sobre as eleições autárquicas, a CASA-CE continua a formar os militantes.

Com os olhos nas eleições, o secretariado executivo nacional da coligação realiza, desde o dia 30 de Maio, um ciclo de formação intensiva dirigida aos quadros de nível central, provincial, municipal e comunal, com vista a prepará-los para participarem no processo eleitoral autárquico, o primeiro do país.

Ontem, foi a vez dos militantes de Talatona, em Luanda. Na ocasião, o secretário executivo nacional, Rafael Aguiar, exortou os militante daquela circunscrição da província de Luanda a engajarem-se nas responsabilidades que lhes forem atribuídas. “Temos de nos preparar, criando núcleos e potenciá-los no sentido de que, quando as eleições chegarem, podermos estar à altura do desafio e, com isso, atingir o nosso objectivo”, realçou.

Nessas formações, que ocorrem aos fins-de- semana, os militantes da coligação aprendem a recolher, analisar e tratar informações, “numa perspectiva científica”, bem como, mecanismos, métodos e gestão. Entre os temas, consta, igualmente, a resolução de conflitos, por ser fundamental a quem pretende liderar.

“Uma decisão mal tomada leva a organização ao abismo, mas uma bem tomada permite satisfazer as necessidades e os interesses das populações”, afirmou Rafael Aguiar, lembrando que a tarefa fundamental dos gestores ou líderes é a tomada de decisões. O secretário executivo nacional da CASA-CE justificou a escolha do tema sobre resolução de conflitos, com o facto de aquela organização ser uma coligação, que “congrega diferentes partidos políticos, com diversas formas de pensar, ser e estar”.

“Entendemos ser fundamental capacitar os quadros, no sentido de entenderem ser normal a existência de conflitos”, disse. Rafael Aguiar considerou que “uma organização normal é aquela em que o consenso e o conflito podem coabitar”. “O anormal é a existência de violência”, frisou o político.

União contra a Covid

O secretário executivo nacional da CASA-CE pronunciou-se,. igualmente, sobre a pandemia da Covid-19. O político disse ser importante que, nesta fase difícil por que passa o país, as forças políticas, quer do poder, quer da oposição, andem de mãos dadas, para lutarem contra a pandemia.  “É importante estarmos unidos, para, em conjunto, combatermos a Covid-19”, defendeu Rafael Aguiar, para acrescentar que, nesta altura, os partidos devem esquecer o interesse pela manutenção ou alcance do poder.

O político sugeriu ao Governo a convocação de todos os professores que se encontram a receber salários sem fazer nada, devido à pandemia, para participarem no combate à Covid-19.

Tempo

Multimédia