Política

CASA-CE quer justiça livre de interferências

Edna Dala

O presidente da CASA-CE, André Mendes de Carvalho “Miau”, defendeu, ontem, em Luanda, um sistema judicial justo, credível, distante da corrupção e dos jogos de influência.

Fotografia: Dr

“É incontornável fazer com que a justiça seja justa, credível e longe da corrupção e dos jogos de influência”, disse o político, ao discursar na abertura da conferência temática das III Jornadas Parlamentares da coligação, que termina hoje.
Quanto ao discurso do Presidente João Lourenço sobre o estado da Nação, o líder da CASA -CE disse que “o Presidente enumerou, por mais de duas horas, as acções que realizou em dois anos de mandato, mas não apontou o que deixou de realizar para que pudéssemos fazer um balanço do seu desempenho e também não nos disse, na análise de cada sector, se estamos bem ou mal”.
André Mendes de Carvalho “Miau” considerou “grave” o facto de o Chefe de Estado não ter falado sobre o calendário para a realização das eleições autárquicas.
O político considerou necessário que se trabalhe e se aprove o pacote legislativo autárquico e que se estabeleça um calendário de acções que conduzam às eleições autárquicas tão breve quanto possível.
O político defendeu a revisão da Lei Geral do Trabalho, bem como a necessidade de se redireccionar, a médio prazo, o sistema de ensino, para responder às necessidades das empresas.
Como um país produtor de crude, sublinhou, “devemos formar engenheiros e cientistas que saibam o que fazer com o petróleo quando este começar a ser preterido como principal fonte de energia no mundo”.
No seu entender, a situação do país “não é boa”, alegando que “o descontentamento dos jovens é crescente, devido à falta de emprego, baixos salários e poder de compra”.
Sobre o processo de repatriamento de capitais, o presidente da CASA-CE reconheceu que “muita coisa foi bem
feita”, mas defendeu o estabelecimento de um diálogo com as pessoas que levaram o dinheiro para o estrangeiro. “Este dinheiro está a fazer falta para o desenvolvimento nacional, pois, sem este dinheiro, vamos continuar a endividar o país, cuja dívida é bastante alta ao ponto de atingir 90 por cento do PIB, o que é preocupante”.

Tempo

Multimédia