Política

CASA-CE está a favor da autonomia regional

O presidente da coligação CASA-CE, Abel Chivukuvuku, disse ontem, em Cabinda, que uma autonomia regional para aquela parcela do território nacional é o mais importante para ultrapassar o sentimento das suas populações sobre a descontinuidade geográfica.

Abel Chivukuvuku foi a Cabinda agradecer os militantes pelo excelente trabalho
Fotografia: Edmundo Eucílio | Edições Novembro

Abel Chivukuvuku afirmou, em conferência de imprensa, que o objectivo da visita é  agradecer aos militantes, simpatizantes e amigos da coligação pelos feitos alcançados nas eleições gerais de Agosto último, onde elegeu dois deputados pelo círculo provincial.
“Estou em Cabinda por imperativo do realismo e do sentimento dos vários segmentos dessa população. Cabinda tem uma economia que faz parte do grande sustento do país e a CASA-CE teve um grande equilíbrio na sua escolha durante as eleições de Agosto”, disse.
O político explicou que esse sentimento também foi vivido em Luanda onde igualmente disse ter tido equilíbrio importante de escolha para a coligação, o que demonstrou, a seu ver, o virar de uma página.
“Por isso, nesta minha primeira deslocação a essa província, como primeira depois das eleições, vai permitir um diálogo mais aberto hoje e no futuro com as várias sensibilidades do povo de Cabinda, para encontrar formas de combater a fome e a pobreza e encarar os problemas desta província de frente no pensamento de uma autonomia regional”, observou.
Abel Chivukuvuku realçou como factor fundamental o diálogo com as várias sensibilidades locais, o respeito pelos direitos humanos e a presença permanente na província, mantendo esse contacto como forma de obtenção de informações da vida social e económica das populações.
Sobre o discurso do Presidente da República à Nação, o líder da CASA-CE sublinhou que contém elementos inovadores, mas apontou que é preciso ir-se aos actos.
Segundo Abel Chivukuvuku, o Chefe de Estado não abordou, no seu discurso, o futuro de Cabinda. “Esperamos que o venha a fazer proximamente”, reforçou. O líder da CASA-CE apelou aos deputados eleitos para estarem próximos das comunidades locais e levarem a discussão à Assembleia Nacional, com o objectivo de resolver os problemas que mais os preocupam. 
A CASA-CE conseguiu dois deputados no círculo provincial de Cabinda nas eleições gerais de Agosto e foi a segunda força política mais votada na região mais ao norte de Angola à frente da UNITA. O político continua em Cabinda, por alguns dias, onde manteve já encontros com o Bispo local, além de contactos com o eleitorado nas zonas de Yabi, São Pedro, Cabassango e nos bairros Mbuco e Chinga. Prevê-se igualmente um encontro com o governador provincial, Eugénio Laborinho.
Recentemente, quando anunciou que não estaria na Assembleia Nacional, o líder da CASA-CE afirmou que vai continuar a servir Angola fora do Parlamento e aprofundar a construção da CASA-CE para os desafios das eleições autárquicas e o grande desafio das eleições gerais de 2022.
Abel Chivukuvuku disse que também partilha do desejo de um segmento da sociedade que clama pela realização de manifestações pacíficas, mas lembrou essas que devem ser sustentadas por firmeza nas posições e pragmatismo nos actos, lembrando ainda que existem formas igualmente vigorosas e firmes de defender os legítimos direitos dos cidadãos eleitores, a quem voltou a apelar à calma, serenidade e firmeza para que seja possível defender o presente e acautelar o futuro.
O político aproveitou a ocasião para endereçar uma palavra de apreço à juventude angolana, de quem disse ter “noção e simpatia pelo sentimento de revolta de milhões de angolanos que se sentem ultrajados” e pediu para não desanimarem, pois se trata apenas “do fechar de um ciclo de cinco anos da nossa história”.

Tempo

Multimédia