Política

Chefe de Estado regressou ao país

Santos Vilola| Pretória

O Presidente da República, João Lourenço, regressou ontem a Luanda, depois de participar, em Pretória, na cerimónia de investidura do Presidente eleito da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Presidente da República João Lourenço à esquerda, ladeado pelo vice-presidente, Bornito de Sousa
Fotografia: Santos Pedro

Acompanhado da primeira-dama Ana Dias Lourenço, o Presidente da República esteve sábado na tribuna de honra do estádio desportivo Loftus Versfeld, na capital sul-africana. No primeiro discurso como Presidente da República, Cyril Ramaphosa apresentou, entre muitos desafios, aqueles que são comuns entre os dois países, o combate à corrupção e às desigualdades sociais.

O Chefe de Estado sul-africano admitiu que, nos últimos tempos, o povo tem observado como “alguns daqueles em quem eles investiram sua confiança se renderam à tentação do poder e das riquezas”. “Eles viram algumas das próprias instituições de nossa democracia desgastadas e os recursos desperdiçados, disse Cyril Ramaphosa, na cerimónia em que o grande ausente foi o ex-Presidente, Jacob Zuma, que justificou a sua ausência com a ocupação com os advogados no processo que responde em tribunal por corrupção.“Os desafios que enfrentamos são reais. Mas não são intransponíveis. Podem ser resolvidos. E vamos resolvê-los”, garantiu Ramaphosa.

Cyril Ramaphosa disse que começa um mandato ciente de que “aquilo que nos une é muito mais poderoso e duradouro do que o que nos divide”.“É através de nossas acções agora que determinaremos nosso destino. Os sul-africanos querem acção e não apenas palavras e promessas. E haverá acção”, garantiu. O  estadista sul africano reconheceu que houve disparidades graves “inaceitáveis” na distribuição da riqueza no passado. “Não podemos mais aceitar enquanto nação (...) Esse passado ameaçou pôr em perigo o nosso futuro”, afirmou Ramaphosa, acrescentando que “é nossa vontade compartilhada - e nossa responsabilidade compartilhada - construir uma sociedade que não conheça privilégios nem desvantagens.”

O Chefe de Estado sul-africano aproveitou a oportunidade para declarar perante os convidados que esta África do Sul é possível. “Teremos que usar nossa coragem, sabedoria e perseverança para alcançar a África do Sul que queremos”, indicou Cyril Ramaphosa.“Vamos declarar a nossa determinação compartilhada de que acabaremos com a pobreza na África do Sul dentro de uma geração”, insistiu.

Tempo

Multimédia