Política

Chefe de Estado visita municípios do Moxico

Garrido Fragoso e Samuel António | Luena

O Presidente da República desloca-se hoje a Cazombo, sede municipal do Alto Zambeze, como primeira etapa de uma visita de dois dias à província do Moxico.

Um ângulo da vila de Cazombo, que recebe hoje a visita do Presidente João Lourenço
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

De acordo com uma nota de imprensa da Casa Civil do Presidente da República, os municípios de Camanongue e Luena são as duas outras etapas da missão do Presidente João Lourenço, que serão cumpridas amanhã. No Alto Zambeze, João Lourenço vai reunir com o Governo Provincial do Moxico, após o que tomará contacto com o funcionamento dos sectores da Educação e Saúde, através de visitas a uma escola e à maternidade municipal.
Ainda hoje, na Vila de Ca-zombo, o Presidente da República recebe em audiência representantes das autoridades tradicionais, com destaque para a rainha Nhakatolo e o rei dos bundas, Mbando Muwe Mbando Lifuti.
Amanhã, em Camanongue, João Lourenço inaugura o Hospital Municipal, devendo cumprir o resto do programa de visita no mesmo dia na capital da província, Luena, onde procede à inauguração de uma escola primária. O Presidente da República, que termina a visita a meio da tarde de amanhã, vai marcar presença na cerimónia de inauguração, pela ministra da Saúde, do Centro de Hemodiálise no Hospital Geral do Moxico. No quadro da visita, realiza-se um Fórum da Agricultura que junta várias sensibilidades e técnicos ligados ao sector, para definir métodos sobre a produção pecuária e apicultura. Os promotores dizem acreditar que do evento saiam medidas para impulsionar a produção de arroz na região. A província do Moxico dispõe de solos e condições climatéricas bastante favoráveis ao cultivo do arroz.
O Moxico é a maior província do país em termos de extensão territorial (mais de 200 mil quilómetros quadrados), com uma população estimada em 854.258 habitantes. No passado foi o maior produtor do cereal no país, com mais de 70 toneladas por ano, o que corresponde a um terço do que se produz actualmente em todo o território nacional.

 Uma província com muitos desafios

A província do Moxico mostra sinais de algum progresso, mas tem muitos desafios pela frente, para garantir as condições sociais básicas para a população.
Numa região caracterizada pelo mau estado das vias de acesso, escolas, unidades sanitárias e do fornecimento débil de água e energia eléctrica, o Governo tem vindo a redobrar esforços no sentido de ver resolvidos estes problemas, que apoquentam a maioria dos habitantes. Foram construídos, nos últimos anos, várias infra-estruturas, mas apesar destes esforços, ainda são insuficientes para assegurar, de forma eficaz, o acesso aos principais serviços.
O Moxico necessita de quase tudo. As marcas da guerra que fragilizaram o seu pleno desenvolvimento ainda são notórias em muitas localidades. A província é habitada por gente trabalhadora, maioritariamente jovem, que precisa olhar pelas potencialidades que tem, para se erguer do fraco desenvolvimento que a região regista.
Apesar do empenho na melhoria do fornecimento de energia e água, e a melhoria do saneamento básico, a rede rodoviária, principal indicador para potenciar as actividades agrícolas na região, continua inacessível.
Por falta de financiamento, muitas obras de estradas encontram-se em estado de abandono, tornando assim impraticável o intercâmbio entre as zonas de produção agrícola e os centros comerciais. Para dar outra imagem à cidade do Luena, o Governo Provincial está a recuperar todos os jardins, passeios e lancis e a colocar painéis solares para garantir a iluminação pública na periferia.
Cerca de 10 troços nos bairros Sinai Velho e Novo, num total de nove quilómetros, já foram requalificados e prevê-se, na segunda fase, atingir as restantes zonas.
O troço que liga a Tipografia à Escola Politécnica Superior, numa distância de mais de dois quilómetros, recebeu tapete asfáltico, no trabalho que inclui o melhoramento das valas de drenagem. Devido ao surgimento de ravinas na província, que há décadas destroem residências e infra-estruturas públicas, decorrem, desde Maio, obras para a contenção daquelas que apresentam maiores dimensões nos bairros 4 de Fevereiro e Zorró, arredores da cidade do Luena.

 

Tempo

Multimédia