Política

Chefe do Estado-Maior avalia exercício militar

Alfredo Ferreira | Bengo

O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), general Geraldo Sachipengo  Nunda, constatou terça-feira, nas localidades do Vale do Paraíso e da Pambala, província do Bengo, as condições de manobras do exercício médico-militar trilateral das forças de Angola, Sérvia e Estados Unidos da América.

General Nunda
Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

Geraldo Sachipengo Nunda ficou a saber que durante os três dias do exercício médico-militar foram atendidos 645 pacientes, dos quais 223 crianças e 422 adultos, e foram feitas 155 análises que detectaram 35 casos de malária e dois de dengue.
Na localidade da Pambala, o chefe de Estado-Maior das FAA foi informado das manobras que simulam o estancamento de uma epidemia do vírus de ébola. Segundo a tenente-coronel Isabel de Brito, a simulação serve para demonstrar como se deve estancar a epidemia, que é altamente contagiosa.
Isabel de Brito disse que o exercício fictício está a ser realizado na localidade da Pambala, devido à sua localização geográfica, que permitirá a entrega de todas as forças tanto marítimas, aéreas como as terrestres, em conjunto com os serviços de saúde, para estancar a epidemia.
O exercício médico-militar conjunto e combinado trilateral tem como objectivo o aumento da capacidade de defesa do país contra agentes biológicos agressivos como a febre hemorrágica (ébola e marburg), pela interacção multissectorial entre as Forças Armadas Angolanas, Polícia Nacional, Saúde, Protecção Civil e Bombeiros, Inema (Instituto Nacional de Emergências Médicas) e SME.

Tempo

Multimédia