Política

Colóquio encerrou com olhos no futuro

O II Colóquio Internacional sobre a História do MPLA terminou ontem, em Luanda, com a intervenção de uma longa lista de históricos do partido.

Conferência analisou percurso do partido governante
Fotografia: Mota Ambrósio| Edições Novembro

Nas intervenções dos militantes, as preocupações foram direccionadas para a saúde, questões económicas, o IVA e o apoio aos antigos combatentes.
As questões nos períodos de perguntas e respostas trouxeram um elemento contemporâneo ao debate histórico no seio do partido. Porque nos dias que correm as preocupações estão com a situação económica e social do país, mesmo no seio dos militantes.
Para além das perguntas e respostas, o dia foi preenchido pelas intervenções de figuras históricas do país. Onofre dos Santos analisou o processo eleitoral de 1992, que liderou enquanto responsável da Comissão Nacional Eleitoral, e assumiu as dificuldades e peripécias que rodearam a concretização das primeiras eleições multipartidárias.
Pitra Neto analisou "O Processo de Unidade e Reconciliação Nacional", enquanto o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, dissertou sobre "Os Desafios da Reconciliação Nacional e a Conquista da Paz: o Memorando do Luena". Também Carolina Cerqueira apresentou um tema relacionado com "O Papel da Mulher Angolana na Construção da Cultura de Paz".
No final das apresentações, seguiu-se um momento de testemunho histórico pessoal de figuras relevantes como Luís Neto "Kiambata", Salviano de Jesus Sequeira "Kianda", Francisco Paiva "Nvunda", entre outros.
O Colóquio Internacional, que decorreu no Centro de Convenções de Belas, começou no dia 4, quarta-feira, e juntou um grupo alargado de participantes, entre dirigentes internacionais (Namíbia, Rússia, Cuba e Portugal) e dirigentes históricos do MPLA.
Na abertura, a vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, reafirmou o compromisso do partido em desenvolver um país cada vez mais democrático, inclusivo e moderno.

 

Tempo

Multimédia