Política

Comandante-geral quer mais disciplina

O novo  comandante-geral da Polícia Nacional, comissário-geral Alfredo Mingas “Panda”, pediu ontem, em Luanda, maior rigor e disciplina aos efectivos da corporação, no cumprimento do dever em prol da segurança e da ordem pública.

Alfredo Mingas considera árdua a nova missão na corporação
Fotografia: Francisco Bernardo| Edições Novembro


Discursando no acto de recepção de pastas do seu antecessor, na sede do Ministério do Interior, o comandante “Panda” prometeu mais trabalho e promover cada vez mais o policiamento de proximidade.
O comandante-geral da Polícia Nacional, que durante alguns anos foi embaixador em São Tomé e Príncipe, falou das  mudanças operadas no país em vários domínios, e considerou “árdua” a sua missão à frente da corporação, garantindo que vai   ouvir, aprender e receber conselhos de todos os colegas de trabalho sem excepção.
O ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, que  testemunhou o acto, indicou que a Polícia Nacional precisa de adequar-se aos tempos actuais. Pediu aos efectivos coesão e maior dinâmica no combate à criminalidade, mas respeitando os direitos humanos.
Ângelo da Veiga Tavares falou da necessidade de modernização da Polícia Nacional, anunciando que esta já trabalha, de forma afincada, para que todos os cidadãos tenham uma quadra festiva tranquila.  
O comandante-geral da Polícia Nacional cessante, Ambrósio de Lemos, pediu total apoio ao seu sucessor com vista à manutenção da  segurança e ordem públicas.
Na cerimónia de posse do novo comandante-geral da Polícia Nacional, o Presidente da República considerou que os agentes da Polícia Nacional precisam de ter uma actuação exemplar, respeitando o uniforme que envergam e o Estado que representam e em nome do qual devem exercer a sua autoridade. “As autoridades têm de constituir um exemplo para os demais cidadãos, se pretendemos moralizar a nossa sociedade”, disse.

Tempo

Multimédia