Política

Comunidades rurais podem ter acesso facilitado à Internet

João Dias

As comunidades rurais e zonas recônditas de Angola podem ter acesso facilitado, em três anos, à Internet em banda larga, da One Web, empresa americana do ramo das telecomunicações.

Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Aquela empresa manifestou a intenção de instalar infra-estruturas de telecomunicações nas zonas rurais para facilitar o acesso das comunidades à Internet. O anúncio foi feito ontem, em Luanda, pelo presidente e fundador da empresa, o norte-americano Greg Wyler, à saída de uma audiência com o Presidente da República, João Lourenço, no Palácio da Cidade Alta.
A meta, de acordo com o empresário, passa por providenciar conectividade a todas as áreas rurais dentro de dois ou três anos.
A instalação da Internet nas zonas rurais de Angola faz parte do plano global da empresa, que pretende acelerar o desenvolvimento da primeira rede global de telecomunicações até 2021, com um sistema de acesso à Internet em banda larga sem fio e de alta velocidade em todos os lugares da Terra.
O presidente da One Web projecta, até o próximo ano, o início da aplicação da capacidade da multinacional das telecomunicações no país.
Deste processo, Greg Wyler espera que, até 2021, a empresa comece a colher os resultados. “Discutimos com o Presidente da República a importância da conectividade, bem como o acesso à Internet nas áreas rurais, o que deve contribuir fundamentalmente para o desenvolvimento destas comunidades”, disse o responsável máximo da One Web em declarações à imprensa. Greg Wyler explicou que a One Web está a trabalhar a nível global para conseguir estender o sinal da Internet às localidades onde o actual sistema não é capaz de levar o sinal, pelo facto dos serviços serem ainda bastante caros.
O responsável sublinhou que a companhia multinacional tem estado a trabalhar para atingir esse fim, numa altura em que tem um investimento realizado na ordem dos 35 mil milhões de dólares, com realce para a maior estrutura espacial do mundo.
Essa estrutura espacial deve ajudar a conectar países como Angola, ajudando os operadores móveis e operadores de serviço de Internet a chegarem às áreas mais recônditas, onde as telecomunicações são ainda bastante deficitárias e o investimento muito oneroso.

Visita a Angola
O empresário norte-americano disse que escolheu Angola “por ser um país com ricas oportunidades para o desenvolvimento”. “Tem uma população com perspectivas viradas para o crescimento económico e jovens com sonhos de crescimento pessoal. Daí a necessidade que temos de conferir o acesso das comunidades à Internet”, indicou o magnata das telecomunicações.
Greg Wyler justificou ter ainda escolhido Angola por sentir que a conectividade e o acesso à Internet são também a missão do Executivo angolano para suprir as dificuldades que existem no plano de acesso à Internet e telecomunicações.
“Estamos aqui nesta grande relação de parceria com este grande país sem deixar de ressaltar a oportunidade que nos foi concedida pelo Presidente da República de visitar Angola e podermos explorar as oportunidades que oferece e participar no seu desenvolvimento socioeconómico”, disse.
Depois de feito um grande investimento no plano das estruturas espaciais, o gestor máximo da One Web prometeu continuar, neste e no próximo ano, com o processo de lançamento de satélites ao espaço. “Depois disso, para Angola, o investimento já não será de grande monta, porque o trabalho de infra-estrutura estará bem consolidado. O que vai ser preciso para Angola, passará pela instalação de antenas”, explicou Greg Wyler.

PR felicita vitória do ANC

O Presidente João Lourenço felicitou ontem, através de uma mensagem enviada ao homólogo da África do Sul, Cyril Ramaphosa, o Congresso Nacional Africano (ANC, sigla inglesa) pela vitória nas eleições legislativas e provinciais de 8 de Maio. De acordo com uma nota dos Serviços de Apoio do PR, João Lourenço disse que “estas eleições mereceram a nossa especial atenção, por tudo quanto poderá significar para a redinamização das excelentes relações de amizade e cooperação existentes entre os nossos dois países e povos.”
“Quero, por isso, expressar o desejo de que continuemos a trabalhar juntos para que as nossas relações bilaterais atinjam níveis que melhor correspondam aos interesses, anseios e sentimentos dos nossos respectivos povos”, lê-se na mensagem.
O PR disse estar convencido de que Cyril Ramaphosa “empreenderá esforços no sentido de realizar, o mais amplamente possível, os grandes anseios ao progresso e ao desenvolvimento do povo sul-africano.”

 

 

Tempo

Multimédia