Política

Coreia do Sul garante apoio à implantação de indústrias

João Dias

O novo embaixador extraordinário e plenipotenciário da República da Coreia em Angola, Kim Chang-Sak, reafirmou ontem, em Luanda, a necessidade de os dois países reforçarem a cooperação e expandí-la a novas áreas, com destaque para a Agricultura.

Chefe de Estado recebeu ontem as cartas credenciais do diplomata Kim Chang-Sak
Fotografia: Santos Pedro| Edições Novembro

Em declarações à imprensa, no termo da cerimónia de apresentação das cartas credenciais ao Chefe de Estado angolano, João Lourenço, no Salão Nobre do Palácio Presidencial da Cidade Alta, o diplomata disse ter “uma posição positiva e muito favorável” sobre o fornecimento de equipamentos e máquinas pesadas e tecnológicas para desenvolver o sector Agrícola no país e contribuir para a consolidação do processo de diversificação económica.

“Na Coreia, temos uma indústria de construção de equipamentos pesados para o sector Agrícola. Vamos envidar esforços para expandir a nossa cooperação no sector da Agricultura”, disse o embaixador Chang-Sak, para quem relançar e desenvolver a cooperação bilateral entre Angola e a República da Coreia implica a troca de visitas de alto nível que permitam abordar assuntos políticos e económicos.
Kim Chang-Sak, que além de Angola deve responder pela Namíbia como embaixador não-residente, indicou que existe no país um projecto de montagem de máquinas pesadas para a agricultura que interessa à Coreia.
O diplomata referiu que, nos últimos anos, as relações bilaterais entre Angola e a Coreia têm conhecido uma expansão contínua, ganhando espaço em áreas como a Indústria, Pesca, Cultura, Educação e Ensino, Formação Profissional e Diplomacia.
Para o embaixador coreano, é necessário reforçar ainda mais a amizade entre os dois países, que contabiliza 26 anos.
Mestre em Estudos Internacionais, Kim Chang-Sak exerceu diplomacia no Canadá, Costa Rica, Federação Russa, Grã-Bretanha, Irlanda do Norte e Portugal.
O volume de trocas comerciais, em 2017, entre Angola e a Coreia atingiu 200 milhões de dólares, com destaque para a importação e exportação de pescado, automóveis, instrumentos electrónicos e informáticos, além de petróleo e produtos derivados. O embaixador Kim Chang-Sak substitui Kim Dong-Chan, que esteve em missão em Angola durante três anos.

Reciprocidade de investimentos

O embaixador cessante da Coreia do Sul em Angola, Kim Dong-Chan, defendeu, em Luanda, a necessidade de os dois países assinarem um acordo de promoção e protecção recíproca de investimentos, para facilitar a implantação, com confiança e estabilidade, de grandes empresas em Angola.
Para Kim Dong-Chan, uma vez assinado o instrumento de promoção e protecção ao investimento, ficariam ultrapassadas as dificuldades pelas quais atravessam as empresas coreanas que queiram instalar-se em Angola.
Para o embaixador, que falava à imprensa no termo de uma audiência com o Presidente da República, é necessário que sejam criadas as condições para o crescimento do investimento em Angola, lembrando haver interesse de grandes empresas coreanas em entrar para o mercado angolano, com realce para a Hyundai, Daewoo e Posco.
O diplomata confirmou o interesse de grandes conglomerados empresariais como a Samsung, LG e Kia em investir em Angola.

Reforço da cooperação

Kim Dong-Chan, em final de missão em Angola, reconheceu o empenho dos líderes dos dois países em empreender reformas positivas para o relançamento da cooperação comum.
Kim Dong-Chan disse esperar que, até 2022, os dois Estadistas possam encontrar-se e reunir em cimeira para reafirmarem a amizade comum.
“A Coreia do Sul tem apoiado a implementação de projectos de apoio ao desenvolvimento em Angola e não poupará esforços para contribuir para a diversificação económica” do país, disse o diplomata.
No domínio da Agricultura, a cooperação permitiu a reactivação do projecto de irrigação no Sumbe (Cuanza-Sul), a finalização de um outro de aquicultura no Ramiros (Luanda) e a conclusão da segunda fase, no final do ano passado, das obras de construção de uma escola de formação profissional em Lucala (Cuanza-Norte).
Oficialmente designada República da Coreia, o país asiático abriu a sua Embaixada em Angola em 2007, depois do estabelecimento de relações diplomáticas em 1992.
A Coreia do Sul está entre as dez maiores economias do mundo, com registos assinaláveis de avanços no domínio da ciência e tecnologia.

Tempo

Multimédia