Política

Danda e Costa Júnior ficam hoje a saber se concorrem

Bernardino Manje

O apuramento das candidaturas à liderança da UNITA é concluído no final da tarde de hoje, quando forem divulgados os resultados aos processos do vice-presidente cessante, Raul Danda, e do presidente do grupo parlamentar, Adalberto Costa Júnior.

Raul Danda está expectante
Fotografia: João Gomes |?Edições Novembro

O porta-voz da Comissão Organizadora do XIII Congresso Ordinário da UNITA, Ruben Sicato, avançou ontem, ao Jornal de Angola, que a decisão final sobre os dois processos vai ser proferida depois da reunião do Comité Permanente da Comissão Política do partido, que começa na manhã de hoje.
No dia 11 deste mês, a candidatura de Raul Danda tinha sido chumbada pela Comissão de Mandatos do congresso, com o fundamento de que o vice-presidente cessante não reúne o requisito segundo o qual o aspirante ao cargo de líder da UNITA tem de ser alguém com 15 anos de “militância ininterrupta”.
Raul Danda, por sua vez, interpôs um recurso na última quarta-feira (o prazo expirava na sexta-feira), contrariando a decisão. O também deputado e “primeiro-ministro do governo sobra” da UNITA considera que o que os estatutos estabelecem é que o candidato à presidente do partido tem de ter 15 anos de “militância consequente”.
A Rádio Despertar noticiou ontem que a questão sobre Raul Danda está a ser tratada ao pormenor por uma comissão ad hoc composta por “Mais Velhos” da UNITA, que deverá remeter um relatório à reunião de hoje do Comité Permanente do partido.
Ainda que a resposta ao recurso seja positiva, Raul Danda admite que parte atrasado para a campanha, pois os outros candidatos já estão na “caça ao voto” há já alguns dias. “Não tenho outro remédio senão esperar o que vai acontecer”, disse, conformado, o deputado, que, ainda assim, questionou o facto de, ao contrário do que foi decidido contra ele, a um outro candidato (Adalberto Costa Júnior) foi-lhe autorizada a realização da campanha, mesmo com o processo de candidatura pendente.

O caso de Adalberto

Um assunto que parece ser mais pacífico, segundo o porta-voz da Comissão Organizadora do congresso, é o processo da candidatura de Adalberto Costa Júnior. Em declarações ao Jornal de Angola, Ruben Sicato considerou que o caso do também deputado “não levanta problemas”, porque bastará apenas a ele apresentar a certidão que atesta a renúncia à nacionalidade portuguesa, que ele, de resto, diz já ter em suas mãos.
Os estatutos da UNITA proíbem a dupla nacionalidade aos candidatos a líder do partido. Aquando da apresentação da candidatura, Adalberto Costa Júnior dizia que já tinha renunciado, há muito tempo, a nacionalidade portuguesa, mas a Comissão de Mandatos exigiu que o mesmo apresentasse um comprovativo.
Além dos candidatos que têm os processos pendentes, concorrem, igualmente, à liderança da UNITA o deputado e porta-voz cessante do partido, Alcides Sakala Simões, o antigo secretário-geral Abílio Kamalata Numa, e o primeiro vice-presidente do grupo parlamentar, José Pedro Kachiungo.

Campanha ao rubro

A campanha com vista à eleição do novo presidente da UNITA está ao rubro. Adalberto Costa Júnior prosseguiu, ontem, a campanha na província do Huambo.
Depois de, no sábado, ter estado no município do Bailundo, onde além de um encontro com o rei local, Ekuikui V, teve contacto com os militantes, Adalberto Costa Júnior deslocou-se ontem à Chipipa, arredores da cidade do Huambo, onde participou num culto religioso da Igreja Católica. Alcino Kuvalela, porta-voz da campanha, disse que o candidato apresentou as suas linhas de força aos responsáveis religiosos locais.
Por seu turno, Alcides Sakala, depois de ter estado sexta-feira e sábado no Zaire e Bengo, esteve ontem à “caça de votos” em Malanje. Sakala acredita que a sua mensagem vai convencer a maioria dos mais de mil delegados ao congresso. Seja como for, o também deputado lembra que ainda está previsto, em Luanda, um debate entre todos os candidatos, já nas vésperas do conclave e na presença de todos os delegados.
Alcides Sakala abriu a campanha na quinta-feira, em Luanda, enquanto Adalberto Costa Júnior foi o primeiro a fazê-lo, no dia 12.
Abílio Kamalata Numa lançou a campanha na aldeia Lobitanga, município do Andulo, província do Bié. José Pedro Kachiungo fê-lo ontem, em Viana, Luanda.

 

 

Tempo

Multimédia