Política

Defendido levantamento do embargo

Bernardino Manje | Havana

Angola considera que o embargo económico dos Estados Unidos contra Cuba deve ser levantado o mais rápido possível, porque foi uma “medida injusta” contra o povo cubano, afirmou o director para América do Ministério das Relações Exteriores.

Diplomata Francisco da Cruz defendeu em Havana o levantamento do embargo contra Cuba
Fotografia: João Gomes

Em declarações à imprensa angolana, em Havana, Francisco da Cruz fez votos de que os contactos  entre os dois governos possam rapidamente evoluir para o levantamento desse embargo, pois, disse, tanto os EUA como Cuba têm muito a ganhar com a normalização das relações.
Francisco da Cruz destacou a cooperação existente entre Angola e Cuba, tendo sublinhado que a mesma assenta em relações históricas e fraternas que têm evoluído ao longo do tempo.
O diplomata angolano disse que tem havido consultas permanentes e constantes para a avaliação dessas relações e para a identificação de novas oportunidades de cooperação.  “Cuba tem um potencial técnico e humano que tem sido muito importante para as tarefas de desenvolvimento em que Angola está engajada nesta fase da sua história”, referiu.
Francisco da Cruz afirmou que a última visita do Presidente José Eduardo dos Santos a Cuba, em Junho do ano passado, deu uma nova dinâmica nas relações entre os dois países, pois os dois Chefes de Estado tiveram a possibilidade de fazer uma análise e um balanço da cooperação, bem como encontrar formas de elevá-la a outros patamares e níveis. “Essa cooperação incide em vários sectores como a Educação, Saúde e Transportes, todos eles muito importantes e prioritários dentro do Programa Nacional de Desenvolvimento 2013-2017”, disse.
Aquando da visita a Cuba, o Presidente José Eduardo dos Santos deslocou-se à Zona Económica de Desenvolvimento de Mariel.
 Francisco da Cruz considera que a mesma pode ser um ponto de referência para Angola, tendo em conta os vários projectos de desenvolvimento que o Governo angolano está a desenvolver. “Identificámos áreas em que Angola também pode fazer parte desse desenvolvimento, com investimentos em território cubano”, referiu.
A troca de visitas entre dirigentes dos dois países, disse, é a prova evidente de que existe uma relação muito dinâmica que pressupõe consultas permanentes, não só sobre questões mais candentes na esfera bilateral, mas, igualmente, regionais e internacionais.
Angola e Cuba estão cada vez maia apostadas em aprofundarem esses contactos, como revelam os regulares contactos entre delegações dos dois países.

Vasta cooperação
 
As relações de cooperação entre Angola e Cuba datam de há mais de 30 anos, tendo sido a Educação e a Saúde os sectores prioritários. Os laços de cooperação entre a Repúblicas de Angola e Cuba remontam há várias décadas. milhares de jovens angolanos foram enviados para a ilha caribenda para  a formação académica e profissional em várias áreas.
 Essa cooperação tem vindo a ganhar espaço, sobretudo em áreas em que Cuba possui larga experiência, nomeadamente nas áreas da educação, saúde, construção civil, turismo e outras. Os laços de cooperação se estendem, igualmente, à esfera militar, cimentada  durante a luta contra as forças invasoras do então exército racista da África do Sul, que abriu caminho à independência da Namíbia, Zimbabwe e à queda do regime de aparthed.
Com a descoberta do pré-sal na Ilha, existe uma cooperação entre Cuba e Venezuela, na qual Angola também tem prestado a sua experiência para a exploração do petróleo cubano. Francisco da Cruz considera tratar-se de uma área que oferece grande potencial de cooperação, por ser um sector que vai continuar a merecer a atenção dos dois governos.

Tempo

Multimédia