Política

Defensor de Higino Carneiro pede instrução contraditória

Adelina Inácio

A defesa do deputado Higino Carneiro, acusado de gestão danosa de bens públicos praticada enquanto governador da província de Luanda, no período entre 2016 e 2017, pediu ao Tribunal Supremo a abertura de uma instrução contraditória do processo.

Fotografia: Jaimagens

O deputado está, também, a ser acusado pelo Ministério Público da prática dos crimes de peculato, violação de normas de execução do plano e orçamento, abuso de poder, associação criminosa, corrupção passiva e branqueamento de capitais.
O advogado José Carlos disse ontem, à imprensa, que existem no processo que envolve o deputado aspectos que devem ser melhor clarificados. “Depois que fomos notificados da acusação, entendemos que havia aspectos que deviam ser melhor clarificados. Para este facto, requeremos a abertura da introdução contraditória”, informou.
O causídico disse que o Ministério Público não praticou todos os actos que devia ter praticado em sede de instrução. José Carlos afirmou que está a aguardar a notificação do despacho que admite ou não a abertura da instrução contraditória.
José Carlos disse que a defesa pede a instrução contraditória para melhor esclarecer determinados aspectos e, se calhar, “esvaziar parte do conteúdo da própria acusação”. “O Ministério Público não concluiu a acusação. O pouco que fez nem sequer foi bem feito”, criticou.
O advogado do deputado do grupo parlamentar do MPLA considerou que, se a acusação fosse bem feita, o própiro Ministério Público não requereria, também, a abertura da instrução contraditória.

Tempo

Multimédia