Política

Desactivação de postos de controlo facilita entrada de centena de ilegais

As autoridades tradicionais do município do Nzeto (Zaire) solicitaram ao Comando Geral da Polícia Nacional a reposição dos postos de controlo removidos ao longo das vias que ligam a Luanda.

Imigração irregular preocupa as autoridades tradicionais
Fotografia: Benjamim Cândido | Edições Eovembro

A população está descontente com a desactivação dos postos de controlo que dão acesso à capital, segundo o chefe das autoridades tradicionais do Nzeto, Alfredo Ricardo, citado pela Rádio Nacional de Angola.
Um grupo de autoridades tradicionais, em representação da população, manifestou a insatisfação em função da detenção, no município do Nzeto, de 184 estrangeiros ilegais que seguiam para a capital do país. Alfredo Ricardo comparou o município do Nzeto sem os postos de controlo das forças de Segurança a um jogo de futebol com as balizas sem guarda-redes. “Não é aceitável que num único dia sejam detidos 184 estrangeiros em situação ilegal. Por isso, pedimos apoio ao Governo no sentido de repor os postos de controlo, principalmente o de Fulanguvu, das “12 pontes” e o do rio Loge, porque um município não pode estar sem posto de controlo aqui nesta região, disse.
José Manuel Ngonga, soba do bairro Kinganga, receia que a decisão tomada pelo Comando Geral da Polícia Nacional aumente a delinquência na região.

Tempo

Multimédia