Política

Destruídas armas de fogo recolhidas da população

Venâncio Victor | Malanje

A Polícia Nacional em Malanje destruiu 3. 620 armas de fogo de diversos calibres recolhidas no quadro do processo de desarmamento da população civil, informou ontem o director provincial da Ordem Pública, superintendente chefe José Santana.

Milhares de armas recolhidas pelas autoridades no país
Fotografia: Paulino Damião | Edições Novembro«

Ao intervir no acto de apresentação de 8.700 armas  recolhidas durante a primeira fase do  referido processo, que teve início em 2008, o superintende chefe José Santana  adiantou que a segunda fase do processo de desarmamento da população prevê a destruição de 2.612 armas.
O director provincial da Ordem Pública assegurou que o trabalho decorre em bom ritmo em função da consciencialização e colaboração da população, que tem contribuído para o aumento da entrega voluntária de armas na província,
“A população está a corresponder ao apelo da Polícia para que cada um proceda à entrega da sua arma no local mais próximo”, disse.
O director provincial da logística da Polícia Nacional, superintendente chefe Vicente Neto, disse que as armas recolhidas são armazenadas numa área específica para avaliação do seu estado de conservação e operacionalidade, até à data da destruição do material obsoleto.
O responsável destacou igualmente a realização de acções de cadastramento das armas recebidas para a criação de um banco de dados, bem como  a identificação do material que se encontra inoperante e o que está em boas condições.
O acto de apresentação das armas recolhidas, que decorreu na Unidade de Protecção de Objectos Estratégicos, foi testemunhado pelo vice-governador para o Sector Político e Social, Manuel Campo, e pelo delegado do Ministério do Interior e comandante provincial da Policia Nacional na região, comissário António José Bernardo.

Tempo

Multimédia