Política

Direcção do Kapalanga suspensa das funções

Paralelamente ao processo mandado instaurar pelo Ministério da Saúde, o governador provincial de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho, decidiu igualmente instaurar um processo de inquérito à direcção e aos funcionários do Hospital Municipal de Viana, para apurar os factos ocorridos no último domingo, em que um cidadão de 31 anos, apenas identificado por Bruno, perdeu a vida por suposta negligência médica.

Governador Provincial de Luanda cria comissão de inquérito
Fotografia: Dombele Bernardo |Edições Novembro


A comissão de inquérito criada para o efeito é coordenada pela Dr.ª Paula Barbeiro e é integrada pelos Drs. Álvaro António Pedro, Martinho Costa, Júlia Denise, Águeda Silili e Dinis Hungulo. O despacho do governador ontem assinado estabelece que, durante a instrução do processo de inquérito, os membros da direcção e os funcionários envolvidos ficam suspensos temporariamente das respectivas funções e serviços. A suspensão tem uma duração de 30 dias, mas pode ser prorrogável até 90 dias.
A comissão deve reportar ao governador provincial o andamento do processo e trabalhar em estreita colaboração com a comissão de inquérito criada pelo Ministério da Saúde, coordenada pelo inspector-geral de Saúde, António Armando, e integrada por representantes das ordens dos Médicos e dos Enfermeiros e do Gabinete Provincial da Saúde de Luanda.  
Os inquéritos surgem dias depois de a Rádio Luanda, do grupo RNA, ter transmitido uma reportagem, no programa “Kiandando”, em que a mãe de Bruno surge a denunciar a suposta causa da morte do filho. Momentos depois, apareceu um outro ouvinte a reclamar igualmente da suposta negligência no Hospital do Kapalanga.

Tempo

Multimédia