Política

Dissidente regressou às fileiras da CASA-CE

César Esteves

Seis anos depois de ter renunciado ao cargo de secretário executivo provincial de Luanda da CASA-CE e anunciar o abandono da coligação liderada, na altura, por Abel Chivukuvuku, António Francisco Hebo regressou à formação política agora dirigida por André Mendes de Carvalho “Miau”.

António Francisco Hebo regressou à formação política agora dirigida por André Mendes de Carvalho “Miau”.
Fotografia: Edições Novembro

Na cerimónia pública que marcou o regresso, realizada, ontem, em Viana, o político disse ter recuado na decisão para não ficar fora da vida política e por se considerar um reforço para a oposição.
António Hebo não revelou a função que vai exercer dentro da coligação, mas garantiu, à imprensa, que ele e mais de 70 mil militantes do projecto “Pomba Branca”, espalhados pelo país, foram bem integrados na CASA-CE. Hebo liderava o “Pomba Branca”, cujo pedido de legalização para o recinhecimento como partido político foi “chumbado” pelo Tribunal Constitucional. “A partir da CASA-CE, vamos erguer a nossa voz em defesa dos indefesos”, frisou.
O político afirmou que o seu regresso e a adesão de seguidores à coligação, vai emprestar mais valor, porque, entre eles, disse, “há quadros bem preparados, do ponto de vista didáctico, científico e político”. “Trazemos um novo discurso, nova abordagem à vida política e grande capacidade de mobilização, que vai levar a CASA-CE a ser como era nos velhos tempos”, disse. />A desistência de António Hebo da CASA-CE, em Abril de 2014, resultou de fortes contendas com o ex-líder da força política, Abel Chivukuvuku, que era acusado de combater a democracia no seio da coligação. António Hebo chegou a afirmar, na altura, que Chivukuvuku promovia comportamentos nocivos à democracia interna da CASA-CE.
Hebo acrescentou que, “no princípio, a coligação era, de facto, uma convergência, mas, depois, deixou o que era o cerne da fundação e passou a ser uma organização do amiguismo, onde reinava a intriga e aqueles que davam o seu máximo para uma Angola melhor eram abandonados”.
Manuel Fernandes, vice-presidente para a organização e acção política da CASA-CE, deu as boas-vindas a António Hebo e companheiros, tendo sublinhado que a recepção demonstra a abertura da coligação.
“A CASA-CE recebe-os de braços abertos e está disposta a engajá-los nas diversas estruturas da nossa organização, para, juntos, enfrentarmos o grande desafio de luta por uma Angola nova, diferente, digna, que corresponda aos anseios e expectativas dos seus filhos”, declarou.

Tempo

Multimédia