Política

Ex-militares sul-africanos querem investir no turismo

Carlos Paulino | Menongue

Um grupo de empresários sul-africanos, a maioria ex-integrantes da 61ª Brigada de Infantaria Mecanizada do então regime do apartheid da África do Sul, que participou na invasão ao município do Cuito Cuanavale, pretende investir no Cuando Cubango nos sectores do Turismo e Agricultura.

Governador do Cuando Cubango manifestou disponibilidade em apoiar os investidores
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro

A intenção foi reiterada ontem, na cidade de Menongue, por uma delegação de ex-militares sul-africanos durante um encontro de cortesia com o governador da província, Júlio Bessa.
Integrada por 37 homens e dez mulheres, a delegação vai visitar, durante três dias, o município do Cuito Cuanavale onde, no período entre 15 de Novembro de 1987 e 23 de Março de 1988, foram travados intensos combates com as ex-Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), que culminaram com a derrota dos sul-africanos no Triângulo do Tumpo.
O chefe da comitiva sul-africana, Jouan Sooysen, explicou que aquando da primeira visita turística ao Cuito Cuanavale, no ano passado, os sul-africanos ficaram impressionados com o grande potencial que a localidade tem para o desenvolvimento do turismo e a prática da agricultura em grande escala.
A implementação de projectos na região, acrescentou, visa sobretudo reconstruir e criar bom relacionamento entre os angolanos e sul-africanos, face a Batalha do Cuito Cuanavale que vitimou muitos cidadãos dos dois países e que ainda existem algumas mágoas ou tristezas nos corações das pessoas que é preciso curá-las.
“Queremos mostrar aos angolanos e em particular aos munícipes do Cuito Cuanavale que nós, os sul-africanos, apesar de que fomos inimigos antes, hoje estamos dispostos a criar laços de amizade e ajudar a reconstruir e desenvolver Angola”, sublinhou.
Numa primeira fase, explicou, os empresários sul-africanos pretendem investir na construção de lodges (unidades hoteleiras), restaurantes e outros locais de atracção turística, bem como no desenvolvimento da agricultura para a produção de cereais, hortícolas e tubérculos em grandes quantidades.
Jouan Sooysen informou que já existe uma área vasta, próximo ao rio Cuito Cuanavale, para a implementação dos dois projectos, restando apenas o aval do Executivo angolano para que os mesmos sigam o seu curso normal.
“Por isso estamos a envidar esforços para que o aval seja dado o mais rápido possível, uma vez que já existem investidores que têm muito interesse em aplicar os seus recursos financeiros e conhecimentos para a implementação destes projectos nos sectores do Turismo e Agricultura no Cuito Cuanavale”, referiu.

Apoio do Governo

O governador do Cuando Cubango, Júlio Bessa, garantiu que o Governo vai prestar todo o apoio necessário para que os empresários sul-africanos e outros que pretendam investir na província possam materializar os seus projectos.
O presidente do Fórum dos Combatentes da Batalha do Cuito Cuanavale, tenente-general António Valeriano, disse que existe um interesse muito grande de cidadãos dos países da SADC em conhecer o Cuito Cuanavale e que a implementação de projectos, sobretudo turísticos, seria uma mais-valia para receber condignamente os turistas.
Os turistas e empresários da terra de Mandela visitam o Memorial, o Triângulo do Tumpo, os três tanques Olifantes abandonados pelas tropas sul-africanas, o Aeroporto 23 de Março, entre outras infra-estruturas erguidas na localidade.

Tempo

Multimédia