Política

Executivo aposta na formação dos jovens

O Executivo está a procurar potenciar o emprego, ajustando a formação profissional de qualidade no seio da juventude, que vai ajudar a diminuir a pobreza e a exclusão social, afirmou sexta-feira, no Lubango, o secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social.

Secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social
Fotografia: José Soares| Edições Novembro

Manuel Moreira, que fazia o balanço à imprensa da sua visita de trabalho de dois dias a província da Huíla, disse que a juventude deve ter cultura de apostar em cursos de formação técnico-profissional, na perspectiva de criar o seu próprio negócio através de iniciativas empreendedoras e seguidamente poder contribuir para o de-senvolvimento económico do país.
Para o secretário de Estado, o país deve ser pensado com base na priorização da formação profissional, como sendo a alavanca importante para potenciar a diversificação económica, através de cursos de construção civil, carpintaria, soldaduras, reparação de estradas, dentre outros, tidos como essenciais para que, de uma ou de outra maneira, Angola saia deste desconforto que a economia vive.                                                                                 
Manuel Moreira referiu que a procura de jovens pela obtenção de cursos profissionais é salutar, uma vez que as estruturas instaladas do país não têm tido capacidade de dar resposta para este fim. O dirigente disse ser importante apostar na criação de mais infra-estruturas devidamente equipadas com os respectivos laboratórios, para que a formação profissional produza técnicos competentes.
Para o presente ano formativo, a terminar em Dezembro próximo, frequentam mais 56 mil formandos, de um total de 67.209 matriculados no começo do ano em todo país, com realce para a electricidade, serralharia, construção civil, pastelaria e restauração, mecânica, carpintaria, entre outras especialidades.
A província da Huíla conta com mais de seis centros estatais de formação profissional, localizados nos mu-nicípios do Lubango, Matala, Cuvango, Chicomba, Caconda e Caluquembe onde frequentam 1.280 jovens em 13 cursos e assegurados por 32 formadores.

Tempo

Multimédia