Política

Executivo pede rigor no combate à pobreza

O Executivo traçou orientações para os administradores municipais  absorverem as disposições do Plano Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, para garantir o seu êxito e impacto nas comunidades.

Secretário de Estado reuniu com administradores municipais
Fotografia: Arimateia Baptista | Edições Novembro

O secretário de Estado da Acção Social, Lúcio do Amaral, transmitiu aos administrado-res municipais as orientações do Executivo na sexta-feira, em Caxito, capital do Bengo, quando presidia à sessão de encerramento do seminário provincial de disseminação e orientação metodológica do referido plano.
Durante a sua intervenção, Lúcio do Amaral defendeu a aplicação correcta dos poucos recursos disponíveis, definindo prioridades em função das necessidades dos municípios. Lúcio do Amaral lembrou que os municípios são beneficiários das acções contra a pobreza e, deste mo-do, devem contribuir para a redução gradual da sua  incidência no país.
O Plano Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza é um instrumento do Executivo que vai permitir levar serviços aos cidadãos, uma vez que os municípios são parte integrante do processo de desenvolvimento.

Reintegração no Bengo

O secretário de Estado da Acção Social anunciou que os 694 antigos militares por reintegrar na província do Bengo devem merecer prioridade na implementação de projectos produtivos, garantindo que a conclusão do processo deve estar na agenda de governação.
Lúcio do Amaral acrescentou que as temáticas abordadas no seminário permitiram dotar os participantes de conhecimentos e metodologias que vão possibilitar uma melhor execução das acções ligadas à redução da incidência da pobreza nos municípios da província do Bengo.
O responsável indicou que, no exercício anterior de combate à pobreza, a província do Bengo beneficiou de várias infra-estruturas que devem ser aproveitadas.

Tempo

Multimédia