Política

Executivo quer fomento da produção alimentar

O Executivo está a desenvolver programas agrícolas  que visam a promoção de um ambiente favorável ao fomento da actividade económica privada e alavancar a produção alimentar, disse, no sábado, no Luena, o secretário de Estado da Agricultura.

Amaro Taty falou no Luena sobre projectos agrícolas
Fotografia: Arão Martins | Edições Novembro

Amaro Taty falava sobre “As políticas que visam impulsionar o sector agrário no actual contexto da economia”, durante a conferência promovida pela Universidade José Eduardo dos Santos  e reiterou que este ambiente tem despoletado no maior interesse dos empreendedores privados investirem no sector agrário. “A   execução do  projecto conta com  recursos nacionais públicos e privados e  a cooperação internacional por meio de linhas de crédito e outros tipos de financiamentos”, informou Amaro Taty, que explicou que nos aspectos ligados aos financiamentos e parcerias tecnológicas específicas, visando a melhoria do bem-estar da população.
“Consta das prioridades do Governo a promoção do desenvolvimento integrado e sustentável do sector agrário, tomando como referência o pleno aproveitamento do potencial dos recursos naturais produtivos e a competitividade do sector, para garantir a segurança alimentar e o abastecimento interno”, prosseguiu Amaro Taty, que salientou que a produção agrícola do país é, sobretudo, desenvolvida pelo sector familiar,  no âmbito do programa de Extensão e Desenvolvimento Rural, que apoia, anualmente, mais de dois milhões de famílias com sementes, fertilizante e ferramentas agrícolas em todo país.
Armando Taty disse que o Estado está a desenvolver projectos de desenvolvimento da agricultura familiar e de comercialização, financiados pelo Banco Mundial e pelo Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrário (FIDA), abrangendo as províncias do Huambo, Bié e Huíla.

Tempo

Multimédia