Política

“Fantasmas” preocupam Ministério da Defesa

Matias da Costa |

O processo de recadastramento de pensionistas em todo país apresenta inúmeras anomalias,  numa altura em  que restam menos de 60 dias para a conclusão do mesmo, afirmou ontem, na cidade do Cuito, o ministro da Defesa Nacional.

Salviano Sequeira
Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

Salviano Sequeira "Kianda", que presidiu a um encontro entre as chefias militares das regiões do Bié e Huambo, disse que o processo identificou vários ex-combatentes inscritos, mas sem direito a pensão na Caixa Social das Forças Armadas Angolanas.
O ministro da Defesa Na-cional indicou que durante as entrevistas submetidas a milhares de pensionistas, muitos destes não conseguem justificar em que unidade ou região serviram, onde combateram, e muito menos exibir uma prova documental.
“Estou certo que nos próximos dias vamos divulgar novos fantasmas, que de forma irregular recebem pensões”, afirmou Salviano Sequeira, que aconselha nestes casos o corte da pensão e accionamento de  mecanismos legais para responsabilizar os infractores.
Outra infracção que preocupa o ministro, é a existência de pensionistas que recebem múltiplos benefícios sala-riais, na caixa social, nos antigos combatentes e ainda a reforma do Estado.

Engajamento do Presidente
O ministro angolano da De-fesa Nacional manifestou a preocupação e vontade do Presidente da República, João Lourenço de integrar todos os antigos combatentes na vida económica e social do país.
Salviano Sequeira garantiu que este ano, a Caixa Social das FAA vai contar com novos pensionistas.

Organização satisfatória 

Ainda na província do Bié, o ministro da Defesa Nacional felicitou o nível de organização das diferentes unidades militares da Região Militar Centro. “Existe aqui um trabalho árduo para melhorar as condições dos efectivos, e as infra-estruturas para oferecer dignidade ao nosso Ministério”, disse Salviano Sequeira, ao constatar a funcionalidade dos órgãos de defesa na região.
“Deixo o Bié completamente satisfeito pelo trabalho realizado nas unidades, do ponto de vista organizativo, disciplinar e operacional”, exteriorizou o ministro.
O processo de inserção dos ex-militares na Caixa Social das Forças Armadas Angolanas tem como propósito essencial criar condições para a auto-afirmação social dos desmobilizados e suas famílias, no âmbito dos Protocolos de Lusaca e Bices-se, incluindo os Memorandos de Entendimento do Luena e do Namibe.
O processo tem registado  pedidos de pessoas por inscrever na Caixa de Segurança Social das Forças Armadas Angolanas, ao nível do país e no final do recadastramento aqueles que reunirem os requisitos necessários são inseridos.

Tempo

Multimédia