Política

Fundo rodoviário instala balança na ponte do Luvo

Fernando Neto | Mbanza Kongo

O Fundo Rodoviário, instituição que vela pela manutenção e conservação de estradas, vai instalar, no próximo ano, na fronteira do Luvo, uma balança de pesagem de carga e um sistema de leitura do comportamento técnico da ponte, para evitar sobrecarga e danos na sua estrutura, informou o seu, Simão Tomé.

Cerimónia formal de inauguração da ponte foi orientada pela vice-governadora do Zaire
Fotografia: Garcia Mayatoko | Edições Novembro

Simão Tomé falava no acto que simbolizou a entrega formal da ponte sobre o rio Luvo, reabilitada em Outubro, por apresentar fissuras nos pilares de suporte, causadas pelo excesso de carga dos camiões que transitam entre Angola e a República Democrática do Congo. 
A ponte, de 33 metros de cumprimento e 4.20 de largura, permite a travessia de veículos com carga até 40 toneladas. O Fundo Rodoviário gastou na reabilitação mais de 31 milhões kwanzas.
O Fundo Rodoviário possui brigadas de tapa buracos e de limpeza de capim e galhos de árvores nas bermas do troço Mbanza Kongo/Nzeto, o que tem garantido melhorias na visibilidade e circulação rodoviária.
As principais preocupações do Fundo Rodoviário na província do Zaire residem na reabilitação do troço Mbanza Kongo/Luvo e na ligação entre as regiões do Zaire e do Uíge.
“Temos, em vários pontos do país, o problema da qualidade e conforto dos pavimentos, mas no início do ano teremos um plano alargado e esperamos incluir estes dois troços importantes para o desenvolvimento da região”, disse.
O administrador adjunto de Mbanza Kongo, Manuel Nsiansoki Gomes, saudou a iniciativa, porque a ponte tem facilitado a circulação de pessoas e bens entre o município de Mbanza Kongo e o Kongo Central, através da fronteira do Luvo, onde também transita diverso material logístico com destino à província de Cabinda.
A cerimónia de entrega oficial da ponte contou com a presença da vice-governadora do Zaire para as Infra-estruturas e Obras Públicas, Ângela Diogo, em representação do governador Joanes André, autoridades tradicionais e um representante do Governo do Congo Central (RDC).

Tempo

Multimédia