Política

General promete combate à gestão danosa nas unidades

Jesus Silva | Lobito

O combate “à gestão danosa nas unidades militares deverá continuar a estar no foco das atenções das Forças Armadas Angolanas, na perspectiva de se criar um ambiente salutar de trabalho e bem-estar a todos os efectivos e trabalhadores civis”, disse, no Lobito, o chefe do Estado-Maior-General das FAA.

Chefe do Estado-Maior encerrou reunião de dirigentes das FAA
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Egídio de Sousa e Santos falava, sexta-feira, na sessão de encerramento da reunião de dirigentes das FAA, que teve lugar no comando da Região Naval Sul (RNS), e que se destinou a fazer o balanço das actividades desenvolvidas pelas distintas direcções, no ano passado, e perspectivar as que vão nortear as Forças Armadas. “Apesar de algumas melhorias alcançadas em muitos aspectos, reconhecemos haver, ainda, constrangimentos que precisamos vencer, sobretudo no capítulo da melhoria das condições de aquartelamento das tropas, com a reabilitação ou construção de um modelo de infra-estruturas que satisfaça as necessidades básicas, quer do ponto de vista das casernas, quer da alimentação, assistência médica, medicamentosa e lazer”, salientou.

O general referiu que a actividade desportiva é outra área que deve ser dinamizada, com a criação, em cada unidade, de espaços próprios para a prática de modalidades de massas e jogos de mesa.
Na sua óptica, a campanha de reforço dos valores cívicos e ético-militares, que decorre nas FAA, tem aspectos positivos que importa continuar a dinamizar, pela enorme contribuição na manutenção dos valores que a instituição necessita para cumprir com zelo a sua nobre missão.
“A Polícia Militar, em coordenação com os órgãos de Educação Patriótica, Logística, Justiça e de Pessoal e Quadros, deve continuar a trabalhar na educação dos efectivos, através de palestras para a prevenção de alguns procedimentos extravagantes”, orientou.

Tempo

Multimédia