Política

Gestores públicos alertados a evitar actos de corrupção

Marcelino Wambo | Huambo

O procurador-geral adjunto da República, Celestino Paulo Benguela, alertou os administradores municipais e directores de gabinetes provinciais para evitarem desvios e corrupção na gestão dos recursos a serem disponibilizados no âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Fotografia: DR

O magistrado do Ministério Público, que falava, na cidade do Huambo, durante uma acção de formação promovida pela Procuradoria Geral da República (PGR), reafirmou aos gestores públicos que o Estado não irá mais tolerar actos de desvios de conduta dos gestores, porque, no seu entender, tais comportamentos não fazem parte do actual caminho político e administrativo a seguir na gestão daquilo que considera ser “o tesouro do povo.”

“O Ministério Público não terá contemplações para com aqueles gestores que queiram seguir caminhos diferentes daqueles que vão sendo recomendados pelos novos mecanismos de gestão da coisa pública”, disse.

Durante a acção formativa, com o tema “Probidade pública e a prevenção contra actos de corrupção”, Celestino Benguela esclareceu que a PGR não pretende intimidar os gestores públicos, mas chamar-lhes atenção para o caminho que se pretende seguir nos actos de gestão.

A ideia, acrescentou, é criar no seio dos gestores públicos a cultura das boas práticas, da denúncia, quando for necessário, e da responsabilização sobre todos aqueles que não forem correctos na materialização das políticas públicas gizadas pelo Estado.

Tempo

Multimédia