Política

Governadora defende valorização de legado

Maiomona Artur | Caxito

O legado de Agostinho Neto como homem de cultura deve continuar a merecer das instituições a devida valorização, para que perdure a sua imagem dentro e fora do país, defendeu ontem, em Caxito, a governadora da província do Bengo.

Fundação Agostinho Neto ofereceu livros e discos sobre Neto
Fotografia: Maria João | Edições Novembro

Mara Quiosa teceu tais considerações no acto de abertura de uma conferência sobre Agostinho Neto, realizada no quadro das celebrações do 17 de Setembro, Dia do Herói Nacional. A governadora disse ser necessário que nas escolas e comunidades seja garantida a transmissão sistematizada do percurso de Agostinho Neto, que, na sua óptica, personaliza as acções de bravura de muitos heróis.
Mara Quiosa apelou aos anciões a continuarem a passar o testemunho aos mais novos. “A trajectória de Agostinho Neto, os seus ensinamentos e a sua dimensão como político e médico necessitam de ser enaltecidos de uma forma admirável”, defendeu. A presidente da Fundação António Agostinho, Maria Eugenia Neto, disse que a instituição tem cumprido um ambicioso programa de publicação da poesia, discursos e textos analí-
ticos do primeiro Presidente de Angola.
Eugénia Neto referiu que nesta fase que antecede ao primeiro centenário de Agostinho Neto, em 2022, a fundação criou uma comissão para sensibilizar as diversas entidades do Executivo e da sociedade civil para a planificação de acções de modo a celebrar a efeméride com justa medida e perfeita organização.
A Fundação António Agostinho Neto (FAAN) ofereceu aos órgãos de comunicação social no Bengo diversos livros e discos que retratam a vida e obra do primeiro Presidente de Angola.
No âmbito do 96º aniversário natalício do primeiro Presidente, a FAAN realizou uma exposição fotográfica intitulada “Agostinho Neto e sua família”, no Memorial aos Heróis de Caxito e na Biblio-teca Provincial.

Tempo

Multimédia