Política

Governo de Luanda homenageia vítimas

As 200 vítimas do massacre de Mbanza Caculo-Cazongo, município de Icolo e Bengo, ocorrido nos dias 25 e 26 de Abril de 1968, foram homenageadas sábado, em acto orientado pela vice-governadora de Luanda para a Esfera Política e Social, Ana Paula Correia Víctor.

Vice-governadora Ana Paula Correia Victor orientou o acto
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

O massacre deveu-se a uma incursão de guerrilheiros do MPLA, que operavam na Primeira Região Político-Militar, em busca de mantimentos, quando um  comerciante português disparou contra eles e provocou a sua morte e da sua esposa. Em retaliação, as tropas coloniais  portuguesas recolheram todos os homens da localidade com mais de 17 anos e levaram-nos para a  localidade de Ndondo, a 14 quilómetros da aldeia de Mbanza Caculo-Cazongo, onde foram assassinados e enterrados numa vala comum.
O coordenador-adjunto da Associação dos Naturais e Amigos de Mbanza Caculo-Cazongo, Manuel Diogo, pediu que seja erguido um  monumento  na localidade onde repousam os restos mortais das vítimas do massacre, com o objectivo de  honrar as suas memórias e feitos em prol da luta de libertação nacional.
A vice-governadora de Luanda para a Esfera Política e Social    considerou "nobre e de grande significado" o acto, e referia que o Governo Provincial de Luanda reconhece a iniciativa de resgatar os lugares de Angola onde se registaram factos históricos, com destaque para a localidade de Mbanza Caculo Cazongo.

Tempo

Multimédia