Política

Huíla espera celeridade na ligação à rede nacional

João Dias e Arão Martins | Lubango

O governador da Huíla, Luís Nunes, informou ontem que os financiamentos que constavam na linha de crédito da China para o sector da energia na província foram cancelados.

Governador da Huíla, Luís Nunes
Fotografia: Angop

Ao apresentar o memorando sobre a situação económica e social da província ao Presidente da República, Luís Nunes realçou que a situação está a prejudicar a electrificação dos projectos das novas áreas urbanísticas da Tchavola, Kuawa, Tchimukua, Mutundo e Eywa, nos arredores da cidade do Lubango.
Luís Nunes disse que, no quadro do Programa de In-vestimentos Públicos (PIP), o sector da energia perspectivava a expansão da rede de distribuição de energia eléctrica do Lubango.
A província da Huíla, referiu, está actualmente com uma capacidade de produção de 70 megawatts, através de centrais térmicas, que consomem 256 mil litros de combustível por dia, perfazendo 7.680.000 litros mês, com um custo de 1.1 mil milhões de kwanzas por mês.
Para o Lubango, disse, são necessários cerca de 160 megawatts. Em face disso, solicitou a aceleração do processo de interligação à rede nacional a partir do Gove, província do Huambo, para a barragem da Matala.

Sector das Águas
Para um abastecimento sustentável e seguro, o governador fala da necessidade de melhoria das unidades de reserva em alta, que foi prontamente respondida pelo órgão de tutela com o orçamento de um projecto que visa a construção de quatro novos reservatórios e a reabilitação de dois existentes.
“Urge aumentar a produção de água potável para a satisfação das necessidades actuais e do crescimento po-pulacional na ordem de 3.2 por cento, com base nos dados actualizados do Cen-so de 2014”, afirmou Luís Nunes, que falou também sobre o projecto de expansão do sistema de água na sede municipal da Cacula, que está paralisado.
O projecto de expansão de água no município da Jamba, disse, já está concluído e o da Matala está em bom estado de execução, com a linha de financiamento de Espanha.

 

Tempo

Multimédia