Política

Hungria aumenta bolsas de estudo para angolanos

Garrido Fragoso

A Hungria pretende este ano elevar para 50 o número de bolsas de estudo para angolanos que pretendam fazer a formação superior naquele país do leste europeu, anunciou ontem, em Luanda, o embaixador húngaro, Zsolt Maris.

Fotografia: Edições Novembro

Em entrevista ao Jornal de Angola, após visitar as instalações da Edições Novembro e reunir-se com a direcção, Zsolt Maris garantiu que as bolsas são gratuitas, cabendo apenas ao Governo angolano assumir as despesas com os bilhetes de passagem dos bolseiros.
A representação diplomática húngara em Angola reabriu em Fevereiro do ano passado, em Luanda, após o encerramento em 1992. A crise política e militar registada em Angola naquela altura foi a causa principal do encerramento da actividade da Embaixada húngara no país.
Devido ao interregno, o diplomata disse não ser ainda conveniente falar, com propriedade, sobre as trocas comerciais entre os dois países. “Estamos a trabalhar para criar as bases institucionais com vista a implementação da cooperação bilateral e a assinatura de novos acordos abrangendo diversos campos da cooperação”, afirmou o diplomata,  que defendeu o reforço das relações de cooperação entre os dois Estados.
Zsolt Maris lembrou que a visita a Angola, no ano passado, do ministro húngaro das Relações Exteriores permitiu aos dois Governos a assinatura de três acordos de cooperação, destacando o rubricado entre os Ministérios da Agricultura.
No decurso deste trimestre, acrescentou, os dois Governos esperam rubricar alguns acordos de cooperação, que vão permitir desencadear maior intercâmbio económico  em diferentes domínios. "Angola tem um futuro muito grande no sector agrícola", disse.
Com Angola, Zsolt Maris defende que a cooperação deve incidir, sobretudo, nos sectores da Agricultura, abastecimento de água potável, saneamento básico, e distribuição de energia eléctrica à população  das zonas rurais.
O diplomata lembrou que os dois Governos rubricaram, em 2016, um acordo de cooperação económica, que aguarda apenas pela promulgação do Presidente João Lourenço. Na base deste acordo, acrescentou, podem ser assinados outros acordos, como o de Protecção de Investimentos  e de Dupla Tributação. Para facilitar a aquisição de vistos para a Hungria, o diplomata anunciou a abertura dos serviços consulares. “Os angolanos já não precisam deslocar-se para outros países para obterem o visto para a Hungria. Podem agora obtê-lo no nosso Consulado, em Luanda”, anunciou.

Tempo

Multimédia