Política

Imprensa internacional dá destaque às eleições

Santos Vilola |

A imprensa internacional continua a dar destaque à postura dos angolanos e na vitória do MPLA nas eleições gerais de 23 de Agosto último.

A Euronews, no seu serviço em português, destaca “MPLA diz que vitória é inevitável”, enquanto o jornal português Diário de Notícias, na sua edição online, destaca a vitória do MPLA com o título “Angola: Resultados provisórios oficiais dão vitória ao MPLA”, o mesmo título da RTP, e noutras chamadas refere que “Observadores de partidos portugueses elogiam processo eleitoral”. O jornal refere que “UNITA contesta anúncio da vitória do MPLA”.
O Jornal de Notícias em Portugal destaca “Resultados provisórios dão vitória ao MPLA em Angola”. A Rádio Renascença destacou na edição da tarde, enquanto decorria o anúncio dos resultados, que “Resultados provisórios em Angola: 64,57 por cento dos votos para MPLA”.
A BBC destaca “Resultados provisórios das eleições em Angola colocam MPLA em vantagem”, nas eleições cuja surpresa pela negativa é o resultado da coligação CASA-CE, de Abel Chivukuvuku. O dissidente da UNITA de Isaías Samakuva, Abel Chivukuvuku, liderou durante um ano uma campanha de mobilização de massas denominado 15/15 (15 dias em cada província do país) e era tida como a força da juventude, capaz de “roubar” votos ao MPLA e ao seu antigo partido. A cadeia de televisão do Qatar, Al Jazeera, noticia “Eleições em Angola 2017: MPLA lidera na contagem provisória dos votos”.
Santos Vilola
No Brasil, o jornal O Globo destaca "Partido no poder vence eleições em Angola". O jornal assinala que João Lourenço sucede a José Eduardo dos Santos na condução do país.
O jornal português Diário de Notícias, na sua edição online, destaca a vitória do MPLA com o título "Angola: Resultados provisórios oficiais dão vitória ao MPLA", o mesmo título da RTP, e noutras chamadas refere que "Observadores de partidos portugueses elogiam processo eleitoral". O jornal refere que "UNITA contesta anúncio da vitória do MPLA".
O Jornal de Notícias em Portugal destaca "Resultados provisórios dão vitória ao MPLA em Angola". A Rádio Renascença destacou na edição da tarde, enquanto decorria o anúncio dos resultados, que "Resultados provisórios em Angola: 64,57% dos votos para MPLA".
A BBC destaca "Resultados provisórios das eleições em Angola colocam MPLA em vantagem", nas eleições cuja surpresa pela negativa é o resultado da coligação CASA-CE, de Abel Chivukuvuku. O dissidente da UNITA de Isaías Samakuva, Abel Chivukuvuku, liderou durante um ano uma campanha de mobilização de massas denominado 15/15 (15 dias em cada província do país) e era tida como a força da juventude, capaz de "roubar" votos ao MPLA e ao seu antigo partido.
A cadeia de televisão do Qatar, Al Jazeera, noticia "Eleições em Angola 2017: MPLA lidera na contagem provisória dos votos". O canal considera substancial a liderança do MPLA e considera que a CASA-CE lidera "um pequeno grupo de partido da oposição" atrás da UNITA.
A Euronews, no seu serviço em português, destaca "MPLA diz que vitória é inevitável".
Outra surpresa é a queda da abstenção comparativamente às eleições gerais de 2012. Os eleitores que não votaram são cerca de 23%, contra os cerca de 40% de 2012.
O MPLA ultrapassou a barreira dos por cento nas principais praças eleitorais, quando faltam cerca de 20 por cento de votos por apurar. Em Luanda, a maior praça eleitoral com mais de dois milhões de eleitores, o MPLA lidera com 50,2 por cento, na Huíla, a segunda maior praça, com 75,69 por cento, no Huambo, com 58,9 por cento, e Benguela, com 61,0 por cento.


Tempo

Multimédia