Política

Japão financia projectos para refugiados da RDC

Isidoro Samutula | Dundo

O Governo japonês vai investir 800 mil dólares para garantir programas de sustentabilidade da segurança alimentar dos cerca de 19 mil refugiados da RDC que se encontram no centro de assentamento do Lóvua, na Lunda-Norte, anunciou, no Dundo, o embaixador japonês em Angola.

Fotografia: DR

Hironori Sawada deslocou-se à Lunda-Norte para a cerimónia de inauguração de uma escola de oito salas de aula, destinada às crianças do assentamento dos refugiados da RDC na comuna do Lóvua, financiada pelo seu país, que custou 250 mil dólares.
A construção da escola, disse, é resultado de uma solicitação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Lunda-Norte, para atender as necessidades dos refugiados, sobretudo na área da educação, para garantir a integração, no sistema de ensino angolano, de milhares de crianças congolesas.
Além da construção da escola, o embaixador do Japão manifestou o interesse do seu Governo em financiar a aquisição de alimentos para os refugiados congoleses, no valor de 500 mil dólares, em coordenação com o Programa Alimentar Mundial (PAM), e outros 300 mil dólares para o Fundo das Nações para Agricultura (FAO), no âmbito de programas
de promoção da actividade agrícola, de forma a garantir a subsistência alimentar dos refugiados.
O diplomata nipónico disse que o financiamento, pelo seu país, de novos projectos, atende aos esforços das agências das Nações Unidas e do Governo angolano, para mitigar as inúmeras dificuldades dos refugiados congoleses que procuraram segurança e melhores condições de vida em Angola.
A representante do ACNUR em Angola, Phillipa Candler, enalteceu o apoio do Japão e realçou a melhoria substancial dos serviços de educação aos refugiados no assentamento do Lóvua. Destacou a disponibilização de incentivos financeiros para os professores que trabalharam com as crianças em 2018, sobretudo no ensino da Língua Portuguesa.
O director nacional da Educação para a Assistência Social e Escolar, Domingos Torres Júnior, que inaugurou a escola, disse que estão criadas as condições para que as crianças refugiadas possam estudar da melhor forma dentro do sistema de ensino angolano.
Domingos Torres Júnior encorajou os pais e encarregados de educação a levarem as crianças à escola.

Tempo

Multimédia