Política

Jovens pedem conclusão da centralidade de Ondjiva

Domingos Calucipa|Ondjiva

A paralisação desde há dois anos, das obras de construção da Centralidade do Ekuma, arredores da cidade de Ondjiva, Cunene, está a inquietar muitos jovens da província, que pedem o arranque do projecto, dadas as necessidades crescentes de habitação.

Obras da centralidade podem reatar ainda este semestre
Fotografia: DR

A inquietação é todos os dias manifestada pelos jovens da província, que questionam a ausência de grandes projectos habitacionais no Cunene, quando quase todas cidades capitais do país já beneficiam de centralidades.

Para agravar a ausência de novos projectos habitacionais na cidade de Ondjiva, a administração municipal está há mais de três anos sem terrenos para distribuir, no âmbito do programa de autoconstrução dirigida.
Quando a 21 de Agosto de 2017 se procedeu ao lançamento da primeira-pedra, pela ex-ministra do Urbanismo e Habitação (hoje Ordenamento do Território e Habitação), Branca do Espírito Santo, e o então governador do Cunene, Kundi Paihama, a expectativa de muitos jovens de Ondjiva, como Abel Alfredo, era de ver muito próxima a concretização do sonho da casa própria.
Abel Alfredo acreditava que na qualidade de funcionário público tinha os requisitos necessários para concorrer a uma casa na Centralidade do Ekuma, para pagar por etapas conforme as regras de liquidação impostas neste género de projectos habitacionais. Volvidos quase dois anos, o seu sonho e de muitos outros jovens parece estar cada vez mais longe de se concretizar, já que no espaço só se divisam os estaleiros da empresa chinesa encarregada da execução das obras.
“Pedimos ao Governo que acelere a construção da Centralidade de Ondjiva, porque assim como eu, muitos jovens não conseguem ter uma casa para morar com a família”, disse.
Entretanto, as obras de construção da centralidade podem reatar ainda no primeiro semestre deste ano, quase dois anos depois do lançamento da primeira-pedra, garantiu o vice-governador para o sector Técnico e Infra-estruturas.



Tempo

Multimédia