Política

Kamuango quer a JURA como vanguarda da UNITA

Bernardino Manje

O novo secretário-geral da JURA, Agostinho Kamuango, compromete-se a fazer da organização juvenil da UNITA um verdadeiro instrumento de luta para a materialização dos objectivos traçados pelo partido.

Agostinho Kamuango destronou “Aly Mango”
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

No seu primeiro discurso depois de ser anunciado como vencedor das eleições decorridas no sábado, duran-te o IV Congresso da JURA, Agostinho Kamuango afirmou que começa uma nova etapa no braço juvenil do maior partido da oposição, para o fazer corresponder à nova dinâmi-ca do país. 
“A nossa luta é em prol da juventude angolana. Queremos tornar a JURA numa verdadeira vanguarda da luta do partido e da juventude angolana. Queremos fazer da JURA um verdadeiro instrumento de luta para materializar os objectivos traçados pela direcção do partido”, disse o jovem político, que apenas tomou posse ontem, pelo facto de o escrutínio se  ter  prolongado até perto da meia noite.
Agostinho Kamuango, que até à sua eleição era o secretário da UNITA na Região de Luanda, insistiu que a JURA deve estar à frente no trabalho que visa a vitória do partido nas eleições autárquicas de 2020 e nas gerais de 2022.
“A JURA é um instrumento ao serviço do partido e, por isso, tem a missão de fazer a interpretação fiel da mensa-gem da UNITA”, sublinhou Kamuango, formado em gestão de empresas e que disse estar “para trabalhar com todos, pois na JURA há espaço para todos”. Ao dirigir-se aos outros sete concorrentes, Agostinho Kamuango disse que “o que aconteceu durante o pe-ríodo da campanha eleitoral terminou ou deve terminar porque, daqui para frente, somos todos JURA”.
À semelhança do que aconteceu no III Congresso, em 2014, quando Aly Mango venceu Agostinho Kamuango, a eleição de sábado também foi renhida, tendo havido  necessidade de uma segunda volta.
Nesta fase, o concorrente “Nelito” Ekuikui direccionou os seus votos para Aly Man-go, enquanto outros, como Kafú Sabino, apoiaram Ka-muango. Oseias Chilemba, que também já tinha concorrido em 2014, antes mes-mo da eleição do último sá-
bado, declarou o seu apoio ao novo secretário-geral.
Agostinho Kamuango conseguia, assim, desforrar-se, no bom sentido, de Aly Mango, que venceu no “pleito” de há quatro anos. Conformado com a derrota, o secretário-geral cessante manifestou a sua disponibilidade para continuar a trabalhar “para o engrandecimento da JURA”.

Tempo

Multimédia