Política

Lançamento do Angosat 1 torna Angola uma potência

O lançamento com su­cesso do satélite Angosat 1 e a sua colocação em serviço significa a entrada de Angola no “clube” das potências espaciais, afirmou o embaixador da Rússia na República de Angola, Vladimir Tararov.

Satélite angolano foi lançado no dia 26 de Dezembro a partir da base de Baikonur
Fotografia: ROGÉRIO TUTI| EDICÕES NOVEMBRO

Numa mensagem, o diplomata refere que a maioria dos angolanos terá mais acesso às tecnologias por via satélite, com destaque para a televisão digital, com qualidade superior de tele-imagem, melhor serviço de Internet para educação à distância e telemedicina.
"Tudo isso vai contribuir para o aumento do fluxo informativo, que propiciará o desenvolvimento do país, a aceleração do crescimento da indústria, do mercado de serviços bancários e o progresso em vários campos”, lê-se na mensagem, na qual destaca que o Angosat 1 vai, igualmente,  favorecer o processo educacional e levar ao mais alto nível o potencial da defesa nacional.
O embaixador lembra ainda que Angola vai tornar-se num fornecedor de conteúdos televisivos para o mercado interno e para os países vizinhos, além de poder aderir a produtos informativos de nível mundial.
A entrada em serviço do Angosat1, segundo o diplomata, é também exemplo da cooperação económica de dois países na realização de um projecto de alta tecnologia e vai aprofundar o intercâmbio entre especialistas, contribuindo para a am­pliação de horizontes em áreas novas.
Vladimir Tararov afirmou que a Rússia está pron­ta a continuar a de­senvolver acções de gran­de envergadura com An­gola, para garantir, com êxito, o de­senvolvimento económico e social, assegurar o nível elevado da defesa nacional e estabilidade na região.
O satélite Angosat1 foi lançado com sucesso no dia 26 de Dezembro a partir do cosmódromo Baikonur. Angola é o sétimo país africano a ter um satélite próprio de comunicações em órbita, após o lançamento do Angosat1, juntando-se à Argélia, África do Sul, Egipto, Marrocos, Nigéria e Tunísia.O Angosat1, construído na Rússia, tem mil e 55 quilogramas e 262.4 quilogramas de carga útil. Ficará na posição orbital 14.5 E e vai ter uma potência de 3.753 W, na banda CKu, com 16C+6Ku repetidores. Como satélite geoestacionário artificial, estará localizado a 36 mil quilómetros acima do nível do mar e a sua velocidade coincidirá com o da rotação da terra. Conseguirá cobrir um terço do globo terrestre. O Angosat 1 é a denominação do primeiro satélite angolano geoestacionário, que trará oportunidades de expansão dos serviços de comunicação via satélite, acesso à Internet, rádio, telefonia e transmissão televisiva. Para a materialização desse projecto, 47 engenheiros espaciais foram formados na Argentina, China, Co­reia, Brasil, Japão e Rússia, para garantir o seu funcionamento.

Tempo

Multimédia