Política

Malanje tem poucos magistrados judiciais

O número reduzido de magistrados judiciais e  operadores de justiça existentes no Tribunal Provincial de Malanje preocupa os membros da Comissão Provincial de Coordenação Judicial, segundo o seu coordenador, Félix Alexandre Sebastião.

Comissão de Coordenação Judicial apresentou balanço
Fotografia: Eduardo Cunha | Edições Novembro

O também juiz-presidente do Tribunal Provincial de Malanje, que falava durante a IV reunião da Comissão Provincial de Coordenação Judicial, acrescentou que a falta de mais magistrados judiciais e operadores de justiça está a criar muitas dificuldades no tratamento  célere de processos-crime e cíveis, tendo em conta a especificidade dos mesmos.
Félix Sebastião admitiu a necessidade de admissão de mais operadores de justiça, quer por meio de concurso público de ingresso, quer através da promoção a nível do tribunal e dos órgãos que integram o Ministério Público. Segundo o coordenador da Comissão Provincial de Coordenação Judicial, outro problema actual tem a ver com as ausências de detidos ao julgamento.
Durante o último trimestre de 2017, o tribunal registou 1.460 casos, menos 65 em relação ao ano anterior.

Tempo

Multimédia